Política

assine e leia

Passado a limpo

Força-tarefa do Ministério da Justiça vai investigar 57 massacres ocorridos no campo desde 1985

Pária no mundo. A chacina de Eldorado dos Carajás e o assassinato de Dorothy Stang figuram entre os horrores que mancham a reputação do Brasil no exterior – Imagem: Alberto César Araújo/Greenpeace Brasil, Global Church e João Ripper/Arquivo CPT
Apoie Siga-nos no

Disposto a reverter a imagem de vilão ambiental e pária científico colada ao Brasil durante os anos Bolsonaro, o governo Lula tem a oportunidade de avançar em outra seara, na qual há décadas somos igualmente malvistos: a impunidade aos crimes cometidos no campo. Célebre em todo o mundo por episódios como os assassinatos do ambientalista Chico Mendes (1988) e da missionária Dorothy Stang (2005) ou por massacres contra trabalhadores rurais como os perpetrados em Corumbiara (1995) e Eldorado dos Carajás (1996), o Brasil teve desde então uma miríade de outros casos de menor repercussão, quase sempre associados à luta pela reforma agrária e à defesa do meio ambiente. A morosidade da Justiça é quase uma garantia de que os crimes vão prescrever sem punição.

Com a intenção de passar a limpo ao menos parte dessas histórias em geral mal contadas, o governo decidiu dar fôlego ao projeto Memórias dos Massacres no Campo, lançado em 2020 pela Comissão Pastoral da Terra e pela Universidade­ de Brasília. Até então, o maior mérito da iniciativa foi denunciar o recrudescimento da violência rural nos últimos anos, sobretudo no governo Bolsonaro. A nova fase da pesquisa, com 2 milhões de reais de orçamento e previsão de dois anos de duração, conta com a participação do Ministério da Justiça e Segurança Pública, que montou uma força-tarefa para analisar 57 chacinas ocorridas de 1985 a 2023. A parceria com a pasta, explicam os coordenadores do projeto, “é para apurar a responsabilidade criminal de mandantes e executores de crimes de assassinato configurados como massacres no campo, a partir do levantamento documental dos processos e investigações e construção de acervo audiovisual”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo