Para Maia, empresários devem pagar a conta da reforma tributária

'Na reforma da Previdência, a sociedade pagou mais a conta do que os empresários', disse o presidente da Câmara em um evento

(Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

(Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

Política

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), declarou que a reforma tributária que ele e o Congresso querem emplacar deve mexer no bolso dos empresários aos moldes de como a reforma da Previdência impôs dificuldades aos contribuintes do INSS.

“Às vezes a elite também erra. Temos que ter a coragem de falar a verdade. Na reforma da Previdência, a sociedade pagou mais a conta do que os empresários”, disse Maia durante o evento, promovido pelo banco BTG Pactual em São Paulo, nesta terça-feira 18.

Em seguida, opinou que, com a reforma tributária, “todos irão ganhar porque o Brasil vai crescer”, mas destacou, de forma cuidadosa, que os empresários devem buscar dialogar e entender que “a parte da contribuição dos empresários deve existir da mesma forma que o brasileiro do Regime Geral do INSS também colaborou com a reforma da Previdência”.

O trecho do discurso do parlamentar foi publicado nas redes sociais do banco:

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou hoje na semana passada que o governo enviaria ao Congresso Nacional uma proposta “acoplável” para a reforma tributária pensada no Congresso, que já está em análise. Entre as mudanças propostas, o ministro disse que o governo vai enviar uma proposta de criação do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), com unificação de tributos sobre consumo.

Partidos de esquerda criticam a omissão das propostas de reformas quanto às distorções provocadas pela concentração da arrecadação nos impostos e tributos sobre a renda e o consumo dos mais pobres e da classe média.

O presidente da Câmara também comentou sobre uma mudança de caminho para a privatização de empresas – que não aprece estar de acordo com as expectativas iniciais dos setores econômicos.

“A maior empresa que o governo quer privatizar é a Eletrobras. Não tem grandes privatizações. Quando as pessoas estão na oposição, tem que privatizar a Caixa, o Banco do Brasil, a Petrobras. Quando o cara é nomeado na cadeira, aí muda. Aí a função social dos bancos é enorme, a sua importância, a sua relevância… mudou um pouquinho a agenda em relação às privatizações.”, comentou, em tom de crítica.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Post Tags
Compartilhar postagem