Política

Operação da PF mira contratos fraudulentos na Secretaria de Saúde de Cuiabá

Investigações apontaram irregularidades em contratos envolvendo softwares de gestão e aluguel de ambulâncias na cidade

Divulgação Polícia Federal
Apoie Siga-nos no

A Polícia Federal deflagrou, nesta terça-feira 28, uma operação que visa combater possíveis crimes de fraude à licitação e peculato em detrimento da Secretaria Municipal de Saúde do município de Cuiabá, no Mato Grosso.

Ao todo, os agentes cumprem 32 mandados de busca e apreensão em cidades do Mato Grosso, do Amazonas, do Tocantins e no Distrito Federal.

As medidas foram autorizadas pela 7ª Vara Federal da Seção Judiciária de Mato Grosso, por crimes cometidos nos anos de 2021 a 2023.

Para a operação, são duas investigações em curso sobre os contratos fraudulentos.

A primeira delas, desenvolvida com a colaboração da Controladoria-Geral da União (CGU), apura a contratação de empresa para o fornecimento de um software de gestão documental. O valor aproximado do contrato é de 14 milhões de reais.

As análises revelaram a potencial prática de crimes contra administração pública, dentre eles peculato e fraude à licitação ou contrato público.

As apurações apontam indícios de montagem no processo de adesão à ata de registro de preço, com participação de diversas empresas parceiras. Os investigadores aponta também que a liberação e pagamento das licenças do software não possuíam correlação com a efetiva implantação da funcionalidade.

Após o pagamento de mais da metade do contrato, o ente público, por portaria, estabeleceu o uso de um sistema de informação diverso para a gestão documental da unidade.

A segunda investigação procura aprofundar as apurações sobre a formalização e execução de contratos de locação de vans e ambulâncias pela Secretaria Municipal.

As diligências evidenciaram que os veículos empregados na execução dos serviços não pertenciam ao vencedor da licitação. A empresa tambem não possuía capacidade técnica para atender ao serviço.

Dentre os veículos usados, constatou-se a utilização de ao menos automóvel registrado em nome do pai de um dos servidores públicos responsáveis pela fiscalização do contrato.

As identidades dos alvos não foram reveladas até o momento pela Polícia Federal. A prefeitura da cidade ainda não comentou o caso.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo