Política

ONG denuncia interferência de Jair Bolsonaro no combate à corrupção

Transparência Internacional denunciou uma ‘crescente interferência política nas instituições anticorrupção por parte do presidente’

O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa / PR)
O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa / PR)

A ONG Transparência Internacional denunciou que o Brasil é vítima de “ingerência” por parte do presidente Jair Bolsonaro nos órgãos anticorrupção, conforme afirma em seu relatório anual publicado nesta quinta-feira 23.

Bolsonaro colocou durante sua campanha, em 2018, a luta contra a corrupção no centro de seu programa, mas o Brasil – lamenta a ONG – sofreu neste campo “uma série de contratempos legais e institucionais”.

A TI denunciou uma “crescente interferência política nas instituições anticorrupção por parte do presidente Bolsonaro”.

Também lamentou as decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), que complicam a luta contra a corrupção, como a anulação das delações premiadas. “A corrupção continua sendo um dos maiores obstáculos ao crescimento econômico e desenvolvimento social no Brasil”, afirmou a TI em seu relatório anual.

A Transparência Internacional classifica 180 países a cada ano de acordo com o nível de corrupção percebido no setor público. A classificação é liderada, como nos anos anteriores, pelos países nórdicos como os menos corruptos, com a Dinamarca em primeiro lugar e a Nova Zelândia em segundo. A Somália permanece na extremidade inferior, atrás do Iêmen, Síria e Sudão do Sul.

A ONG destaca a situação em Malta, marcada pelo assassinato em 2017 da jornalista Daphne Caruana Galizia, e indica que a ilha está “atolada em corrupção”. “Vários escândalos vinculados aos ‘Panama Papers’ também contribuem para o declínio de Malta na classificação”, explica a TI.

O ONG enfatiza, porém, que em Angola, que saiu de quatro décadas de ditadura, a luta contra a corrupção apresenta efeitos. A TI comemorou particularmente a demissão de Isabel dos Santos da companhia nacional de petróleo Sonangol.

Dos Santos, que foi proclamada a mulher mais rica da África pela revista americana Forbes em 2013, foi acusada segunda-feira 20 pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) de desviar centenas de milhões de dólares em dinheiro público para contas pessoais.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!