“O paciente Bolsonaro não tentou tratamentos alternativos, não pregou negacionismo”, ironiza Renan Calheiros

O senador afirmou que Bolsonaro não teria utilizado de tratamento alternativo para tratar a obstrução intestinal que o levou a internação

O senador Renan Calheiros. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

O senador Renan Calheiros. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Política

O relator da CPI da Covid no Senado, Renan Calheiro, usou as suas redes sociais para rebater as falas do presidente na manhã deste domingo, 18.

Sem máscara, Bolsonaro conversou com  jornalistas na porta do hospital e aproveitou a oportunidade para defender tratamentos alternativos para a covid-19.

O presidente pediu por estudos no Brasil da proxalutamida —medicamento usado no tratamento de cânceres, como o de próstata—, que ele diz estar acompanhando estudos internacionais há algum tempo. “O que me surpreende é de ver o mundo, alguns países investindo em remédio para curar a covid, e aqui, quando você fala de cura para covid, parece que você é criminoso. Não pode falar em cloroquina, ivermectina”, afirmou.

Em publicação no Twitter, o senador afirmou que Bolsonaro não teria utilizado de tratamento alternativo para tratar a obstrução intestinal que o levou a internação na quarta-feira, 14.

“O paciente Bolsonaro não tentou tratamentos alternativos, não pregou negacionismo. Priorizou a ciência e a medicina. Se o paciente tivesse presidido o Brasil na pandemia, centenas de milhares de vidas teriam sido salvas”, publicou Renan Calheiros.

Aos jornalistas, o presidente ainda teria dito que durante sua internação teve acesso a estudos —sem citar quais— do CDC (Centro de Controle de Doenças) dos Estados Unidos que apontam que as principais vítimas da covid-19 são pessoas obesas, seguidas de quem está tomada pelo pavor ou pânico, reforçando o discurso que adota desde o ano passado contra o isolamento social.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem