…

“O Lula não é o Lula. O Lula é uma ideia”, diz Lula no Rio

Política

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta terça-feira 3, em evento no Rio de Janeiro, que seu nome hoje representa uma “ideia” e que voltará a ser presidente da República.

“O Lula não é o Lula. O Lula é uma ideia. O Lula é uma ideia assumida por milhões de pessoas. E eles não sabem que o Lula já renasceu em milhões de mulheres e homens”, afirmou o petista em palanque montado em frente à sede da Petrobras durante protesto contra a privatização de estatais, organizado por centrais sindicais.

Em discurso de cerca de 30 minutos, o ex-presidente fez críticas ao governo Michel Temer, à imprensa, à Polícia Federal e ao juiz Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância. “Eu já provei a minha inocência. Eu quero que eles provem uma culpa minha”, disse Lula, condenado por Moro a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá.

Leia também:
Lula: “Quem acha que é o fim do Lula vai quebrar a cara”

Lula afirmou que o objetivo do processo contra ele é evitar sua candidatura em 2018. “Eu estou tranquilo. Quem deve estar preocupado são eles, porque eles falam mal de mim de manhã, na hora do almoço, à noite, de sábado, de domingo e de feriado. E quando eles fazem uma pesquisa, quem está na frente é o Lula”, continuou.

Pesquisa Datafolha divulgada no domingo 1º aponta o petista na liderança da disputa presidencial de 2018, com ao menos 35% das intenções de voto em dois cenários para o primeiro turno.

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) e a ex-senadora Marina Silva (Rede) aparecem tecnicamente empatados no segundo lugar, com ao menos 16% e 13% das intenções de voto, respectivamente. O levantamento do Datafolha aponta, ainda, que Lula venceria o segundo turno contra qualquer candidato.

“Não adianta perseguir o Lula, porque atrás deste Lula que está aqui tem meus filhos, meus netos e milhões de homens e mulheres que querem liberdade, que querem cidadania, que querem emprego, que querem salário, que querem universidade, que querem cultura”, afirmou.

Lula encerrou seu discurso dizendo que, apesar de se sentir vítima de ataques orquestrados, não alimenta “ódio” e continuará sendo o “Lulinha Paz e Amor”. E concluiu: “Eu, companheiros, estou aqui na frente de vocês para dizer: se preparem. Se preparem porque o povo trabalhador vai voltar a governar este País.”

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem