CartaExpressa

O grande traidor deste País se chama Jair Bolsonaro, diz Santos Cruz

‘Ele traiu todas as promessas de campanha. Traiu um País inteiro’, acusou o general da reserva

O general e ex-ministro Carlos Alberto Santos Cruz. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O general da reserva Carlos Alberto Santos Cruz, ex-ministro da Secretaria de Governo, rebateu as declarações do senador Flávio Bolsonaro que chamou o ex-ministro da Justiça Sergio Moro de traidor.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Santos Cruz afirmou que o “grande traidor deste País se chama Jair Messias Bolsonaro”.

“Ele traiu todas as promessas de campanha. Traiu um País inteiro. Eu vou dar só um exemplo. Ele falou que era contra a reeleição, mas governa desde o primeiro momento pela reeleição. Tudo que ele está fazendo em termos orçamentários é por conta da reeleição”, disse o ex-aliado.

“Não cantaram musiquinha de que o centrão era um bando de criminosos? Ele descaracterizou o Coaf. Ele não prometeu que tinha de acabar com o toma lá da cá? Ele se comportava como um sujeito crítico da política quando ele era parte da política. Agora que ele se filiou ao PL, voltou para casa, como ele falou. Essa tentativa de transferência de traição não cola”, acrescentou o general.

Na conversa, Santos Cruz reforçou o seu apoio a Moro na eleição para presidente e também criticou o ex-presidente Lula.

“Os dois [Lula e Bolsonaro] destruíram a democracia. Um destruiu a esquerda, o outro destruiu a direita. E eu, me filiando ao partido, tenho melhores condições de influir nesse apoio. É por isso”, declarou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.