Justiça

O cabo, o soldado e o coronel estão presos, enquanto o STF segue aberto, diz Moraes

O ministro ironizou a afirmação de Eduardo Bolsonaro durante palestra no TSE

O presidente do TSE, Alexandre de Moraes. Foto: Alejandro Zambrana/Secom/TSE
Apoie Siga-nos no

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Alexandre de Moraes, ironizou nesta quarta-feira 22 a previsão de que bastariam um cabo e um soldado para fechar o Supremo Tribunal Federal, feita em 2018 pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP).

A declaração de Moraes foi proferida no Seminário Internacional Inteligência Artificial, Democracia e Eleições, promovido pelo TSE, em Brasília.

“Esse novo populismo digital extremista, que se baseia nas redes sociais, não adota golpe à moda antiga”, disse o ministro. “Não precisa de tanque na rua e nem fechar o Congresso. Ele quer se comunicar direto com os extremistas do povo.”

“Todos se recordam de que bastavam um cabo e um soldado para fechar o STF. O cabo, o soldado e o coronel estão todos presos, e o STF aberto e funcionando”, prosseguiu.”Mas se disse que bastariam um cabo e um soldado. Como não foram um cabo e um soldado, foram milhares de pessoas que destruíram o prédio do STF“, completou, em referência aos ataques golpistas de 8 de Janeiro de 2023.

Em julho de 2018, Eduardo Bolsonaro foi questionado sobre uma eventual ação do Exército se Jair Bolsonaro (PL) fosse impedido de assumir o cargo em caso de vitória na eleição presidencial.

“Se quiser fechar o STF, sabe o que você faz? Não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo. Não é querer desmerecer o soldado e o cabo”, afirmou Eduardo a uma plateia de estudantes.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo