Política

Nova presidente da Petrobras fala em ‘lógica empresarial’ e defende exploração na Margem Equatorial

Esta é a primeira coletiva de imprensa desde que Magda foi anunciada como substituta de Jean Paul Prates

Magda Chambriard, presidente da Petrobras. Foto: André Ribeiro/Agência Petrobras
Apoie Siga-nos no

A nova presidente da Petrobras, Madga Chambriard, afirmou nesta segunda-feira 27, que a estatal vai “respeitar a lógica empresarial” sob sua gestão. Madga falou nesta segunda em sua primeira coletiva de imprensa desde que foi anunciada como substituta de Jean Paul Prates.

“Não há como gerir uma empresa dessas sem respeitar a lógica empresarial. Dando lucro, sendo tempestivo, atendendo os interesses tanto dos acionistas públicos quanto dos privados, nós vamos fazer”, disse.

“Temos em mão uma companhia grandiosa que tem que dar retorno”, afirmou a nova presidente. Magda ainda defendeu a exploração e produção de petróleo na Margem Equatorial.

“Temos de tomar cuidado com as reposições da reserva. E está fora de cogitação a importação. É trazer a necessidade de explorar novas fronteiras, como a questão do Amapá, na Margem Equatorial, e Pelotas, no Sul do Brasil. Isso tem que ser enfrentado e acelerado”, disse.

A Margem Equatorial tem sido alvo de disputa entre a Petrobras e órgãos ambientais como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, o Ibama.

Ao todo, a região tem é uma área 2.200 quilômetros ao longo da costa, próxima à Linha do Equador, e é considerada de alto potencial petrolífero.

Ela começa no Amapá e vai até o litoral do Rio Grande do Norte, passando pelas bacias: Potiguar, Ceará, Barreirinhas, Pará-Maranhão e foz do Amazonas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo