No pior dia da epidemia, Bolsonaro anuncia churrasco para 3 mil pessoas

País contabilizou 751 mortos em 24 horas, segundo o último balanço do Ministério da Saúde

O presidente Jair Bolsonaro fez piada com churrasco, no dia em que o Brasil teve mais mortos por coronavírus. Foto: Reprodução/Twitter

O presidente Jair Bolsonaro fez piada com churrasco, no dia em que o Brasil teve mais mortos por coronavírus. Foto: Reprodução/Twitter

Política

No dia em que o Brasil contabilizou 751 mortes pelo novo coronavírus, recorde de óbitos em 24 horas no país, o presidente Jair Bolsonaro fez piada e diz que fará um churrasco para 3 mil pessoas.

O deboche faz referência à sua declaração do dia anterior, em que anunciou um churrasco para o sábado 9 e afirmou que avalia convidar 30 pessoas. Na ocasião, disse que pediria contribuição de 70 reais a quem participasse.

Nesta sexta-feira 8, em frente ao Palácio da Alvorada, o presidente voltou a ironizar o isolamento social, principal forma de combate à doença.

“Última palavra aqui. Tem 1,3 mil convidados. Quem estiver amanhã aqui, se tiver mil, a gente bota para dentro. Então, já está mais ou menos 3 mil pessoas no churrasco amanhã, tá ok?”, disse o chefe do Palácio do Planalto.

A realização de um evento como esse contraria frontalmente as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), que recomenda o isolamento social como principal estratégia para conter a disseminação do novo vírus.

Segundo estudo da instituição britânica Imperial College London, a epidemia pode piorar no país se não houver medidas mais rigorosas de restrição à circulação. No entanto, o próprio presidente da República está em campanha aberta pelo fim do isolamento.

O Ministério da Saúde informou que o Brasil já registrou mais de 9,8 mil vítimas fatais e ultrapassou 145 mil infecções em todo o território.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem