Política

No Brics, Bolsonaro diz que vai divulgar lista de países que compram madeira ilegal da Amazônia

Presidente chamou de ‘injustificáveis ataques’ as críticas de outros países sobre a Amazônia

Foto: Reprodução /TV Brasil
Foto: Reprodução /TV Brasil

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta terça-feira 17, que nos próximos dias irá divulgar uma lista, produzida pela Polícia Federal, de países que extraem ou importam madeira ilegal da região amazônica.

 

“Estaremos mostrando que esses países, alguns deles que muito nos criticam, em parte têm responsabilidade nessa questão”, disse o presidente em discurso na reunião online dos Brics. “Creio que, depois de revelarmos isso, essas práticas diminuirão muito na nossa Amazônia”, completou.

O presidente disse também  que o Brasil está comprometido “no tocante à emissão de carbono” e chamou de “injustificáveis ataques” as críticas de outros países sobre a gestão da Amazônia.

Ataque à OMS

Bolsonaro aproveitou seu discurso para dizer que o Brasil está na corrida pela vacina própria contra a Covid-19 e atacou a Organização Mundial da Saúde, que, segundo ele, precisa de uma reforma.

“Desde o início também critiquei a politização do vírus e o pretenso monopólio do conhecimento por parte da OMS, Organização Mundial da Saúde, que necessita urgentemente, sim, de reformas”, declarou o presidente.

“É preciso ressaltar que a crise demonstrou a centralidade das nações para a solução dos problema que hoje acometem os países. Temos que reconhecer a realidade de que não foram os organismos internacionais que superaram os desafios, mas sim a coordenação entre os nossos países”, finalizou Bolsonaro.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!