Política

‘Não estou aqui para apoiar Boulos ou Nunes no 2º turno’, diz Tabata sobre eleição em SP

A pré-candidata pelo PSB à prefeitura também avalia que o vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) ‘ajuda 100%’ a conquistar apoio

A deputada Tabata Amaral. Foto: Billy Boss/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

A deputada federal Tabata Amaral, pré-candidata à prefeitura de São Paulo pelo PSB, não indicou preferência em um eventual segundo turno entre Guilherme Boulos (PSOL) e o postulante à reeleição, Ricardo Nunes (MDB).

Ela também disse nesta sexta-feira 24 que Geraldo Alckmin (PSB) “ajuda 100%” a conquistar apoio na capital paulista. Tabata negou que a filiação do vice-presidente da República ao PSB e sua aliança com Lula (PT) tenham afastado seu eleitorado.

As declarações foram concedidas em um encontro com a Prada Assessoria.

“Eu não estou aqui para apoiar Boulos ou Nunes no segundo turno. Eu não estou aqui para compor equipe, para compor governo, o que quer que seja. E isso eu deixei muito claro”, disse Tabata, citada pelo UOL. “E é uma questão de eu dar ao meu projeto o tamanho que ele tem. Eu trazer um cenário de segundo turno no qual eu não esteja é apequenar esse projeto.”

A pré-candidata ainda afirmou que Alckmin acrescenta ao seu projeto “a questão de ser bom de diálogo, de ser bom de gestão, de juntar inovação com experiência”.

Um levantamento divulgado pelo Paraná Pesquisas no início de maio apontou empate técnico entre Nunes (27,3%) e Boulos (25,7%). Em terceiro lugar apareceu José Luiz Datena (15,3%), cotado para vice de Tabata mas potencial candidato pelo PSDB. A deputada é a quarta colocada (8,2%).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo