Política

MP Eleitoral vê omissão de 3,2 milhões e pede a rejeição das contas de campanha de Cláudio Castro

A procuradora Neide Cardoso de Oliveira alega, no parecer, que o montante vindo do fundo partidário não foi comprovado na prestação de contas

Foto: Rafael Campos/GOVRJ
Apoie Siga-nos no

O Ministério Público Eleitoral pediu a rejeição das contas de campanha do governador reeleito do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), e do seu vice, Thiago Pampolha (União Brasil, por uma suposta ‘omissão de despesas’ na prestação enviada ao Tribunal Regional Eleitoral.

No parecer, assinado pela procuradora Neide Cardoso de Oliveira, o órgão alega que cerca de 3.2 milhões de reais oriundos do fundo partidário não foram comprovados na prestação de contas. Além disso, argumenta, a campanha do governador reeleito reajustou em 52% o valor de um contrato com uma empresa de comunicação sem apresentar justificativa.

“Tais irregularidades são, inequivocamente, suficientes para a rejeição das contas, por representarem vícios graves e insanáveis, referentes à movimentação financeira da campanha e à correspondente prestação de contas de campanha, o que compromete a correta análise das finanças utilizadas na campanha e enseja a desaprovação dessas”, escreveu o MPE.

A Procuradoria ainda aponta a contratação de três empresas responsáveis pelo aluguel de veículos sem que elas apresentassem condições de oferecer o serviço contratado. Assim, defende a procuradora, cerca de 2.2 milhões de reais do fundo eleitoral teriam sido usados de forma irregular.

O parecer do MPE, com em um relatório técnico feito pela Assessoria de Contas Eleitorais e Partidárias do TRE-RJ, sugere à Corte ainda que a coligação “Rio Unido e mais Forte” devolva os recursos ao Tesouro Nacional.

Procurada por CartaCapital, a defesa de Cláudio Castro ainda não se manifestou. O espaço segue aberto.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo