“Moro é nosso patrimônio, vítima de uma trama”, diz Bolsonaro

Para Bolsonaro, Glenn Greenwald, o deputado federal David Miranda e o ex-deputado Jean Willys querem atacar quem está do seu lado

Foto: Isac Nóbrega/PR

Foto: Isac Nóbrega/PR

Política

Durante participação em um evento em Guaratinguetá, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o ministro da Justiça, Sérgio Moro, das conversas com procuradores da Lava-Jato que vem sendo divulgadas pelo site The Intercept.

Bolsonaro se referiu a Moro como ” nosso patrimônio” e alegou que o ministro é vítima de uma trama que tem por objetivo atacar quem está do seu lado. “Vão quebrar a cara, podem procurar outro alvo”, declarou.

O presidente atribuiu à “trama” ao jornalista Glenn Greenwald, que está à frente das divulgações pelo The Intercept e o seu marido, o deputado federal David Miranda. Bolsonaro também citou o ex-deputado Jean Willys, a quem se referiu como “menina”.

“Aquele casal lá, um deles esteve detido na Inglaterra há pouco tempo por espionagem e o outro aqui tem suspeita de vender o mandato. E a outra menina tá lá fora do Brasil”, completou.

 

A informação de que Jean Wyllys teria vendido o seu mandato a David Miranda foi ventilada pelo senador Flávio Bolsonaro (PSL) sem nenhuma comprovação e agora repercutida por seu pai. O deputado rebateu a afirmação em suas redes sociais, dizendo ser vergonhoso o nível do Presidente da República.

O ex-deputado Jean Wyllys também fez uma série de publicações condenando a atitude de Bolsonaro. Entre elas, declarou que, ao tratá-lo como menina na tentativa de ofendê-lo, o presidente tratou o gênero feminino como algo “desprezível, menor, subalterno, ou seja, para ele é um insulto ser mulher”.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site CartaEducação

Compartilhar postagem