Moradores de rua podem ser mais resistentes à Covid-19 por falta de banho, diz Russomanno

Candidato também criticou isolamento social feito por Bruno Covas e João Doria

CELSO RUSSOMANO, CANDIDATO DO REPUBLICANOS À PREFEITURA DE SP. FOTO: REPRODUÇÃO/TV BAND

CELSO RUSSOMANO, CANDIDATO DO REPUBLICANOS À PREFEITURA DE SP. FOTO: REPRODUÇÃO/TV BAND

Política

O candidato à Prefeitura de São Paulo pelo Republicanos, Celso Russumano, disse que pessoas em situação de rua e usuários de drogas na Cracolândia podem ser “mais resistentes do que a gente” à Covid-19 “porque convivem o tempo todo nas ruas, não têm como tomar banho”.

 

 

 

“Todo mundo esperava que a Covid tomasse conta de todo mundo, até porque, eles não têm o afastamento que foi pré-estabelecido pela OMS…e, eles estão aí, nós temos casos pontuais, e não temos uma quantidade imensa de moradores de rua com problema de Covid. Talvez eles sejam mais resistentes do que a gente, porque eles convivem o tempo todo nas ruas, não tem como tomar banho todos os dias, etc e tal”, afirmou.

A declaração foi dada nesta terça-feira 13 durante um encontro na Associação Comercial de São Paulo, na região central da cidade.

Na agenda, o candidato ouviu demandas dos empresários do setor e criticou a maneira como o governo de São Paulo e a Prefeitura conduziram as medidas de restrição contra o coronavírus na capital paulista.

Russomano criticou o isolamento feito pela gestão de Bruno Covas, que chamou de penduricalho do governo Joao Doria, e se mostrou favorável ao isolamento vertical, medida não comprovada cientificamente, mas também defendida pelo presidente Jair Bolsonaro desde o início da pandemia.

“Esse isolamento deveria ter sido feito, depois dos primeiros 30 dias, de forma vertical, cuidando das pessoas com problemas respiratórios, das pessoas cardíacas, dos idosos, das pessoas com deficiência…deveria ter sido cuidado disso, e não fechado o comércio do jeito que foi feito, quebrando e desempregando todo mundo, agora nós vamos ter que consertar isso tudo. E não vai ser fácil não…”, disse Russomanno.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem