Política

Monumento em Laranjal Paulista amanhece pichado com “Queiroz?”

Autoridades ainda não têm suspeitos

Monumento é conhecido como (Crédito: Marcos Pires) Monumento é conhecido como "Laranjão" pelos moradores da cidade(Crédito: Marcos Pires)">
Monumento é conhecido como "Laranjão" pelos moradores da cidade(Crédito: Marcos Pires) Monumento é conhecido como "Laranjão" pelos moradores da cidade(Crédito: Marcos Pires)
Apoie Siga-nos no

O município de Laranjal Paulista (173 km de São Paulo) acordou na última quarta-feira, 26, sob o manto de um mistério: quem teria pichado os dizeres “Queiroz?” na face do chamado Laranjão, monumento-símbolo da cidade, logo em seu trevo de entrada, nas margens da rodovia Marechal Rondon?

A provável alusão ao policial militar carioca Fabrício Queiroz, sobre quem recaem desconfianças de atuar como uma espécie de “laranja” da família Bolsonaro, é clara, mas poucos na cidade gostam de admitir.

Com o expressivo apoio de 82,76% dos votos válidos no segundo turno, o presidente eleito alcançou em Laranjal resultado semelhante ao obtido em outros municípios do interior paulista. Assim, passadas quase 48 horas desde que a pichação surgiu no Laranjão, nem a polícia nem a prefeitura anunciaram ter qualquer suspeito.

Momumento de Laranjal Paulista antes de ser pichado (Crédito: Reprodução/redes sociais)

Localizado às margens da rodovia, o monumento busca atrair atenção no trevo da cidade, mas gera controvérsias desde sua instalação. Polêmico e considerado de gosto duvidoso, desagrada boa parte da população laranjalense, já que a cidade não possui produção expressiva de laranjas, sendo um conhecido polo da indústria de plástico e brinquedos. Seu nome vem do passado bandeirante, quando tropeiros apelidaram de Ribeirão dos Laranjais à região que posteriormente serviu de sítio original para a cidade.

“Foi uma surpresa quando vi, pela manhã, o nome do Queiroz na Laranjona. Não deixa de fazer sentido, né?”, comentou Lúcia Netto, 54, que transita diariamente pela rodovia. “Pelo menos a laranjona serviu pra alguma coisa”, disse Lázaro Perin, 42, morador da zona rural da região.

(Foto de Júlia Maia, enviada por Marcos Pires)

Vinicius Segalla

Vinicius Segalla Ex-editor executivo do site de CartaCapital

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.