Política

Ministro diz que PRF atua ‘ininterruptamente’, mas caminhoneiros seguem com bloqueios

Anderson Torres informou que a polícia eliminou 192 pontos de bloqueio; balanço da PRF desta manhã fala em 271 trechos travados

Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça, Anderson Torres, informou na manhã desta terça-feira 1 que a Polícia Rodoviária Federal está trabalhando ‘ininterruptamente’ desde domingo 30 para desbloquear as estradas travadas por caminhoneiros bolsonaristas. A ordem do Supremo Tribunal Federal é que a corporação destrave as vias ‘imediatamente’.

Pelas redes sociais, Torres disse que, com a atuação ‘ininterrupta’, já foram eliminados 192 pontos de bloqueio. Na noite de segunda-feira, eram 338 pontos travados em 23 estados pelos motoristas que não aceitam a derrota de Jair Bolsonaro para Lula. Nesta manhã, a informação da PRF é de que os bloqueios afetam 271 trechos de rodovias em 14 estados.

Apesar do balanço de Torres, a maior parte das vias, portanto, segue bloqueada. Pelas redes sociais, acumulam-se ainda relatos de que agentes da PRF estariam auxiliando caminhoneiros a seguirem com as manifestações. Há vídeos de agentes informando aos motoristas que eles não seriam multados.

Um segundo vídeo também mostra um policial dizendo que a ordem superior seria apenas para que a PRF acompanhasse o caso. Há ainda imagens de um agente cortando uma cerca, supostamente para auxiliar que os manifestantes se acumulassem na via. A PRF não se pronunciou sobre as imagens.

A baixa efetividade na operação de desbloqueio das vias motivou o Ministério Público Federal a pedir explicações formais à PRF sobre a operação de destravamento das estradas.

No Supremo, a decisão liminar de Moraes proferida na tarde de ontem foi confirmada nas primeiras horas desta terça-feira pela maioria dos ministros em plenário virtual. A decisão prevê ainda afastamento, multa e até prisão para Silvinei Vasques, diretor-geral da PRF, em caso de descumprimento da ordem.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo