Educação

Ministro da Educação defende rápida votação do PL do Novo Ensino Médio

A ideia é que o projeto seja aprovado ainda neste semestre para ser adotado nas escolas em 2025

O ministro da Educação, Camilo Santana. Foto: Luis Fortes/MEC
Apoie Siga-nos no

O ministro da Educação, Camilo Santana (PT), defendeu nesta quarta-feira 28 uma rápida aprovação do projeto de lei do Novo Ensino Médio.

“O tempo de votação quem dará é o Congresso, mas é fundamental a aprovação ainda neste semestre pela Câmara e pelo Senado”, afirmou o petista, ao participar da posse do novo presidente da Frente Parlamentar da Educação, deputado Rafael Brito (MDB-AL).  

A justificativa para uma votação célere, segundo Santana, é que as secretarias de Educação e as escolas privadas teriam tempo para se adaptar e adotar o novo modelo em 2025.

A nova proposta pretende elevar a carga horária da formação geral básica de 1,8 mil horas para 2,4 mil — o que inclui as matérias comuns a todos os estudantes, como Língua Portuguesa e Matemática. 

No entanto, o relator do projeto de reforma do ensino médio, deputado Mendonça Filho (União-PE), defende que a carga da formação básica seja de 2,1 mil horas, sob o argumento de não inviabilizar o ensino técnico.

O novo presidente da Frente Parlamentar da Educação, por sua vez, pede que a aprovação ocorra ainda em março, em um consenso sobre as propostas. 

“O texto ideal, pelo que eu tenho ouvido, não é nem o do ministro nem o do Mendonça”, disse Brito. “É importante decidir rápido. Tem oito milhões de alunos neste momento que vivem uma insegurança. Sabem que o modelo vai mudar, mas não sabem qual será.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo