Mensagens vazadas expõem relação de Moro e Dallagnol na Lava Jato

Site publica mensagens entre Moro e Dellagnol nos bastidores da Lava Jato. MPF diz sobre 'ataque de hackers'

(Foto: ABr)

(Foto: ABr)

Política

Um vazamento de mensagens entre o ministro Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, feito pelo site The Intercept, provaria que o ex-juiz federal e o procurador do Ministério Público Federal colaboraram entre si quando faziam parte da força-tarefa da Operação Lava Jato.

A obsessão por tirar o ex-presidente Lula da corrida eleitoral, as parcialidades dos responsáveis por conduzirem a maior operação da Polícia Federal da história e as interferências nos trâmites das provas colocam em xeque a confiabilidade das condenações. As mensagens datariam entre 2015 e 2017.

Em nota, a força-tarefa disse ter sido alvo de hackers e atacou o que chamou de ‘viés tendencioso’ da reportagem. Nas redes sociais, o atual ministro da Justiça, Sergio Moro, afirmou que “uma leitura atenta revela que não tem nada ali apesar das matérias sensacionalistas”.

Entenda o conteúdo divulgado pelas matérias.

  • Sem provas para o triplex do Guarujá

Apenas quatro dias antes de denunciar o ex-presidente Lula ao MPF, o procurador Deltan Dallagnol não tinha confiança nas provas a serem apresentadas.

A associação de Lula à Odebrecht e à Lava Jato, que foi provada por Dallagnol a partir de uma antiga reportagem do jornal O Globo, conseguiria colocar o ex-presidente para ser julgado por Moro – que atuava no TRF4, em Curitiba, pela força-tarefa da operação.

No entanto, a reportagem não associava o triplex ao ex-presidente, mas dizia que ele possuía um imóvel no condomínio – o que estava descrito em seu imposto de renda. Mesmo assim, Dallagnol prosseguiu com a denúncia.

  • Sergio Moro teria influenciado diretamente a condução das operações

As mensagens também apontam interferências preocupantes do ex-juiz Sergio Moro na condução das denúncias e investigações – papel desempenhado por desembargadores e procuradores, mas não juízes.

Pistas sobre as investigações, críticas ao andamento das operações deflagradas pela Polícia Federal e troca de conselhos – como o vazar ou não os áudios entre Dilma Rousseff e Lula, em 2016, ou investigar a fundo arbitrariamente uma parcela de 30% dos envolvidos em corrupção.

  • Cerceamento à entrevista de Lula e articulação contra o PT

Além de Dallagnol e Moro, a reportagem também teria recebido trocas de mensagens entre procuradores da Lava Jato para barrar deliberadamente a entrevista de Lula no período eleitoral – com temor de favorecer a campanha de Fernando Haddad.

Em uma delas, uma mulher identificada como ‘Carol PGR’ diz para Dallagnol: “Ando muito preocupada com uma possível volta do PT, mas tenho rezado muito para Deus iluminar nossa população para que um milagre nos salve”, escreveu no grupo do Telegram “Carol PGR”. Para tal, Dallagnol respondeu: “Reza sim”.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem