Política

Marina Silva pede desculpas a Greta Thunberg por ofensa de Bolsonaro

Ex-ministra do Meio-Ambiente pediu desculpas ’em nome do Brasil’ à ativista sueca, que foi chamada de ‘pirralha’ por Bolsonaro

Marina Silva. Foto: José Cruz/Agência Brasil
Marina Silva. Foto: José Cruz/Agência Brasil

A ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva (Rede), pediu desculpas “em nome do Brasil” à Greta Thunberg após a ativista sueca ter sido xingada de “pirralha” pelo presidente Jair Bolsonaro.

Marina se dirigiu a Greta em uma mesa da COP-25, conferência climática global que acontece em Madri até a sexta-feira 13. Na ocasião, mencionou que é uma “satisfação” ver um diálogo sobre o clima atingindo diferentes gerações, e aproveitou para dirigir-se à Greta. “Eu queria fazer um pedido de desculpas à Greta em nome de meu país, o Brasil, pela forma como o presidente Bolsonaro desrespeitosamente e agressivamente se dirigiu a ela, chamando-a de pirralha”, disse Silva.

Thunberg, de 16 anos, foi ofendida após ter se manifestado no Twitter em relação ao assassinato de dois índios da etnia Guajajara no final de semana.

“Os direitos dos índios tem sido violados ao redor do mundo, e eles também estão entre aqueles que serão atingidos mais fortemente pela emergência climática e do meio-ambiente”, disse Greta em painel da COP-25 após repudiar as mortes dos Guajajara.

Em resposta às críticas, Bolsonaro respondeu que ela era apenas uma “pirralha” e disse não saber porque a mídia internacional dava atenção a ela. “A Greta já falou que os índios morreram porque estavam defendendo a Amazônia. É impressionante a imprensa dar espaço para uma pirralha dessa aí”, falou o presidente.

Thunberg foi nomeada, na quarta-feira 11, como a Personalidade do Ano pela revista norte-americana Time, onde concorria também com o presidente Donald Trump. Nas redes sociais, Trump chamou a decisão de “ridícula” e disse que Greta deveria trabalhar em seu “controle de raiva” – em alegação às declarações e à Síndrome de Asperger que acomete a ativista.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!