Política

Mandetta se despede do Ministério da Saúde: “A ciência é a luz”

Demissão ocorreu após o presidente Jair Bolsonaro se opor a recomendações favoráveis ao isolamento social como combate ao coronavírus

Luiz Henrique Mandetta foi descartado do Ministério da Saúde. Foto: Anderson Riedel/PR
Luiz Henrique Mandetta foi descartado do Ministério da Saúde. Foto: Anderson Riedel/PR

Demitido do comando do Ministério da Saúde, Luiz Henrique Mandetta se despediu dos funcionários da pasta durante coletiva de imprensa em Brasília (DF), nesta quinta-feira 16. Na ocasião, pediu à equipe que haja “defesa intransigente” da ciência como meio de combate à pandemia de coronavírus.

A baixa ocorreu após sucessivas discordâncias públicas entre Mandetta e o presidente Jair Bolsonaro, que se opôs frontalmente às recomendações do Ministério da Saúde em favor do isolamento horizontal como prevenção à doença.

Mandetta agradeceu a toda a sua equipe pelo empenho nas ações contra a proliferação da covid-19. Desde a semana passada, ele relatava “clima de angústia” entre os integrantes da pasta, após os rumores de sua demissão.

“Muitos aqui entraram comigo no Ministério da Saúde. Mas a maioria eu conheci trabalhando pelo Ministério. Não posso medir o tamanho do meu agradecimento pelo que aprendi com vocês. Saio daqui com uma experiência absolutamente fantástica”, afirmou no pronunciamento. “Foi o melhor clima organizacional que alguém poderia ter construído. Nunca foi uma via de mão única.”

O ex-chefe da Saúde também reiterou que sempre foi “a voz a ser convencida a mudar de posição” e que prefere ser uma “metamorfose ambulante”. Em recado a Bolsonaro, Mandetta disse à equipe que eles não devem ter medo e pediu que haja “defesa intransigente” da vida, do Sistema Único de Saúde (SUS) e da ciência.

“Não tenham medo. Não façam um milímetro diferente do que vocês sabem fazer”, declarou. “A ciência é a luz. É o iluminismo. É através dela que nós vamos sair. Apostem todas as suas energias através da ciência. Não tenham uma visão única. Não pensem dentro da caixinha.”

Em coletiva de imprensa posterior à de Mandetta, Bolsonaro anunciou o nome do médico e oncologista Nelson Teich para assumir a chefia do Ministério da Saúde. Teich assessorou a campanha eleitoral de Bolsonaro em 2018 e tem apoio da Associação Médica Brasileira.

Segundo a última atualização da pasta, o Brasil contabiliza 1.924 mortes pelo novo coronavírus, em uma taxa de letalidade medida a 6,3%. Há óbitos em todos os estados e no Distrito Federal. São mais de 30 mil casos identificados da doença em todo o território brasileiro.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!