Maia critica proposta do governo para Fundeb: “São ideias soltas”

Votação foi adiada após governo mandar proposta nas vésperas, incluindo manutenção do Fundo apenas em 2022

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Educação,Política

A votação para tornar o Fundeb parte da Constituição Brasileira, que iria acontecer nesta segunda-feira 20 após 5 anos de tramitação da PEC na Câmara dos Deputados, foi adiada para amanhã. O motivo está na primeira proposta sobre o tema mandada pelo governo Bolsonaro em 1 ano e meio de debate sobre o tema.

O texto foi apresentado para as lideranças partidárias no sábado 18, o que fez o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), dar mais um dia para que o governo participasse da articulação. No entanto, entre as propostas sugeridas está a implementação do Fundeb apenas em 2022, o que deixaria 40 milhões de alunos da rede pública sem recursos garantidos para a educação em 2021.

“Não é uma proposta, são ideias soltas. Estamos analisando, não tem nenhum problema em analisar as propostas do governo. É bom que o governo esteja participando, né? É um ano e meio sem participação do governo, o texto está muito consolidado, tem muito apoio, mas isso não significa que não tenhamos que ouvir o governo”., disse Maia em uma coletiva de imprensa nesta segunda.

O deputado ainda acrescentou que resolveu adiar a votação em um dia porque considera que o ministro Luiz Eduardo Ramos, chefe da Secretaria de Governo de Jair Bolsonaro, tenha “crédito” com o parlamento devido a sua interlocução para o debate.

Maia disse que o projeto a ser votado, porém, não será muito distante daquele já aprovado pela relatora da matéria na Câmara, a deputada Professora Dorinha (DEM-TO), já que apenas ela consegue mudar o teor do texto neste momento.

O Fundeb é a principal fonte de recursos da educação básica, respondendo por mais de 60% do financiamento de todo o ensino básico do país, etapa que vai do infantil ao ensino médio. O fundo é composto por percentuais das receitas de vários impostos. Atualmente, cerca de 40 milhões de estudantes da rede pública são atendidos pelos recursos do financiamento. “O Fundeb é a expressão do Pacto Federativo na educação”, afirma a relatora.

A distribuição é feita levando em consideração o desenvolvimento social e econômico das regiões – a complementação do recurso aplicado pela União é direcionada às regiões nas quais o investimento por aluno seja inferior ao valor mínimo fixado para cada ano.

Dessa forma, propostas como a adiamento do Fundeb para 2022 ou a reconfiguração da porcentagem de participação do governo federal – que deve avançar de 10% a 20% do fundo ao longo de 6 anos – não devem ser bruscamente alteradas.

Entre as propostas, está a mudança do trecho referente ao pagamento de professores, limitando o percentual em até 70%, incluindo pagamento de aposentadorias e pensões.

A medida sugere também a transferência direta de 5% da complementação da União para famílias com crianças em idade escolar que se encontrem em situação de pobreza ou extrema pobreza, incluindo ações relacionadas à primeira infância e ao auxílio creche.

Essa medida faria com que o Fundeb financiasse, indiretamente, o programa de transferência de renda que Jair Bolsonaro e Paulo Guedes querem montar para substituir o Bolsa Família, o chamado “Renda Brasil”.

Em nota, a Undime reitera que a proposta apresenta aspectos inconstitucionais, além de desconstruir a estrutura do Novo Fundeb. De acordo com a instituição, essas medidas são incompatíveis com a atual conjuntura educacional.

O Consed também se manifestou contrário à proposta do governo. Para a instituição, as mudanças ameaçam alguns dos principais pontos do texto da PEC.

“Com esse projeto, o governo federal propõe que desses 10 pontos percentuais de acréscimo, 5 sejam destinados não à educação pública, mas a programas de transferência de renda, o que representa um claro desvirtuamento do propósito do Fundeb, além de uma perda de 50% dos recursos novos a serem complementados pela União no novo Fundeb”, argumenta o Consed, também em nota.

O conselho diz que a proposta do governo permite que recursos públicos da União, dos estados e dos municípios sejam utilizados como auxílio para pagamentos nas redes privadas.

*Com informações da Agência Brasil

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem