Política

Lula sanciona lei que garante o sigilo de vítimas em casos de violência doméstica e familiar

O presidente afirmou que a proposta tem o objetivo de garantir que mulheres ‘não sejam revitimizadas e constrangidas durante o processo’

Foto: Ricardo Stuckert/PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) sancionou, nesta terça-feira 21, um projeto de lei que determina o sigilo dos nomes das mulheres vítimas de crimes de violência doméstica e familiar. A proposta é de autoria do senador Fabiano Contarato (PT-ES).

Ao anunciar a sanção, pelas redes sociais, Lula afirmou que a proposta tem o objetivo de garantir que mulheres “não sejam revitimizadas e constrangidas durante o processo”.

“O PL aprimora a Lei Maria da Penha, tão fundamental no combate à violência contra as mulheres”, prosseguiu o presidente. “Mais uma conquista, resultado da persistência e perseverança da luta das mulheres brasileiras.”

De acordo com a nova lei, o sigilo se refere apenas ao nome da mulher. Não abrange, por exemplo, o nome do autor do crime nem os demais dados do processo.

Relatora do projeto na Câmara, Laura Carneiro (PSD-RJ) sustentou à época da votação que, apesar de o Código de Processo Penal autorizar o segredo de justiça para preservar a intimidade e a imagem da vítima, é recomendável assegurar expressamente esse sigilo.

“Ainda nos encontramos em um estágio, no que diz respeito à defesa dos direitos das mulheres, em que é preciso estimulá-las a denunciar seus algozes”, disse a relatora. Assim, reforçou Carneiro, é um erro expor essas mulheres à possibilidade de constrangimentos durante o inquérito policial ou o julgamento, com todos os estigmas que podem recair sobre as vítimas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo