Educação

Lula sanciona lei para retomar obras inacabadas de educação e saúde

O texto contempla a conclusão de mais de 11 mil obras em todo o País

O presidente Lula. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) sancionou nesta quarta-feira 1º o Pacto Nacional Pela Retomada de Obras Inacabadas. A iniciativa prevê a conclusão de 11.151 obras paradas em todo o País, referentes às áreas de educação e saúde. 

O plano contempla a finalização das obras no prazo de 24 meses, com possibilidade de prorrogação pelo mesmo prazo. Ainda estabelece critérios para a priorização das obras e o repasse de novos recursos eventualmente necessários. 

De acordo com informações do Palácio do Planalto, a lista de obras prioritárias se baseará no percentual de execução, no ano de contratação e nas condições dos municípios. 

Segundo levantamento do Ministério da Educação, são necessários 6,2 bilhões de reais para concluir 5.662 obras inscritas no Pacto. Entre as obras selecionadas estão a construção de novas quadras esportivas, coberturas em quadras já existentes, reformas e ampliações de estrutura.

Já o Ministério da Saúde aponta que serão retomadas 5.489 obras envolvendo Unidades Básicas de Saúde, Unidades de Pronto Atendimento, Redes Cegonha e Neonatal, Ambiência, Centros Especializados em Reabilitação e Oficinas Ortopédicas.

A lei sancionada ainda traz diretrizes para o uso de recursos da política Aldir Blanc, a contemplar construção e reforma de centros culturais. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo