Política

Lula recorre de decisão do TSE que mandou remover vídeos em que chama Bolsonaro de ‘genocida’

‘O genocida acabou com o Minha Casa, Minha Vida e prometeu Casa Verde e Amarela’, afirmou o petista na gravação contestada pela campanha bolsonarista

O ex-presidente Lula em Pernambuco. Foto: Ricardo Stuckert
Apoie Siga-nos no

O PT e o candidato do partido à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, recorreram de uma decisão do ministro Raul Araújo, do Tribunal Superior Eleitoral, que determinou a remoção de vídeos em que o ex-presidente se refere a Jair Bolsonaro (PL) como “genocida”.

Segundo a defesa do petista, a afirmação de que “o genocida acabou com o Minha Casa, Minha Vida e prometeu Casa Verde e Amarela” não configura propaganda antecipada de conteúdo negativo contra Bolsonaro.

“Até porque, repita-se, ao proferir essa frase, o segundo Representado sequer fez referência ao referido pré-candidato; e, ainda, que o tivesse feito, tais dizeres igualmente representam, ao fim e ao cabo, uma crítica política legítima contra o responsável por dirigir (equivocadamente) o país durante a maior crise sanitária dos últimos cem anos”, diz um trecho do recurso.

No despacho em que ordenou a retirada de vídeos do ar, motivado por uma ação do PL, Araújo anotou que “a palavra ‘genocida’ tem o sentido de qualificar pessoa que perpetra ou é responsável pelo extermínio ou destruição de grupo nacional, étnico, racial ou religioso”.

Ainda segundo o ministro, “os participantes do processo eleitoral devem orientar suas condutas de forma a evitar discursos de ódio e discriminatório, bem como a propagação de mensagens falsas ou que possam caracterizar calúnia, injúria ou difamação”.

A afirmação de que “o genocida acabou com o Minha Casa, Minha Vida” ocorreu em 20 de julho, durante ato realizado por Lula em Garanhuns (PE).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo