Mundo

Lula não irá à posse de Milei na Argentina, diz agência

O ultradireitista assumirá formalmente a Casa Rosada em 10 de dezembro, em substituição a Alberto Fernández

O candidato da ultradireita à Presidência da Argentina, Javier Milei. Foto: Luis Robayo/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) não comparecerá à posse do ultradireitista Javier Milei, vencedor das eleições presidenciais da Argentina, disse nesta segunda-feira 20 uma fonte do governo à agência AFP.

Milei assumirá formalmente a Casa Rosada em 10 de dezembro, em substituição ao peronista Alberto Fernández.

O assessor-chefe para assuntos internacionais da Presidência, Celso Amorim, disse ao jornal O Globo que Lula não compareceria à posse de Milei porque “foi ofendido pessoalmente”. Consultada pela AFP, a fonte do Palácio do Planalto confirmou a ausência do presidente, sem detalhar as motivações.

Mais cedo, o ministro Paulo Pimenta (PT), da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, afirmou que Milei ofendeu Lula de “forma gratuita”. O petista também cobrou um pedido de desculpas.

Pimenta concedeu a declaração ao ser questionado se Lula telefonaria a Milei a fim de parabenizá-lo pela vitória.

“Eu não ligaria. Só depois que ele me ligasse para me pedir desculpa. Ofendeu de forma gratuita o presidente Lula”, afirmou o ministro. “Cabe a ele, num gesto como presidente eleito, ligar para se desculpar. Depois que acontecesse isso, eu pensaria na possibilidade de conversar.”

Durante a campanha, o ultradireitista chamou o petista de “comunista” e “corrupto”.

Milei ainda afirmou, sem qualquer comprovação, que o presidente brasileiro estaria “interferindo” na campanha e “financiando” parte dela.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.