Lula recebe título de cidadão honorário de Paris

Carta de Câmara Municipal parisiense critica prisão de Lula e aponta ex-presidente como um defensor dos direitos humanos

Foto: Wanezza Soares

Foto: Wanezza Soares

Política

*Atualizado às 16h45

O ex-presidente Lula, preso em Curitiba há mais de 500 dias, recebeu o título de cidadão honorário da capital francesa Paris. A proposta foi apresentada nesta quinta-feira 3 pela Câmara Municipal parisiense e foi aprovada pela prefeita da cidade, Anne Hidalgo.

A prisão de Lula possui grande destaque na carta que justifica o pedido. O texto retoma as recomendações da ONU (Organização das Nações Unidas) para que o ex-presidente tivesse seus direitos políticos garantidos nas eleições de 2018, a atuação de Sergio Moro como juiz do caso e, posteriormente, como ministro de Jair Bolsonaro, e as revelações das mensagens vazadas pelo The Intercept Brasil, que expuseram relações suspeitas na Justiça brasileira.

O título de “cidadão honorário” é uma homenagem entregue à personalidades que têm destaque pelos seus feitos no lugar em questão.

A Câmara também cita o engajamento de Lula pelos direitos humanos, pela justiça social e pela proteção do meio ambiente como “valores guardados pela cidade de Paris e que colocaram o político em perigo pelo seu engajamento”.

“Através da figura do ex-presidente, todos os defensores da democracia no Brasil são atacados”, reitera o pedido, justificando a tradição de Paris à favor dos direitos humanos.

Outro brasileiro que já foi agraciado com a homenagem é o Cacique Raoni, líder indígena da região do Xingu e um dos alvos principais do discurso do presidente brasileiro Jair Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU, em setembro. Raoni foi recentemente apontado como um candidato ao Nobel da Paz. Lula, por sua vez, também tem uma base que defende seu nome como uma possibilidade para a premiação.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem