Política

Lula é aprovado por 54% dos brasileiros, mostra pesquisa Quaest

Resultado marca um recuo na visão dos entrevistados sobre o trabalho do presidente nestes 10 meses de mandato

Foto: EVARISTO SA / AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) é aprovado por 54% dos brasileiros, segundo a mais nova pesquisa divulgada pela Quaest. O levantamento, publicado nesta quarta-feira 25, mostra um recuo na visão positiva dos entrevistados sobre o petista ao completar 10 meses de mandato. Veja os números:

Lula era aprovado, em agosto deste ano, por 60% dos entrevistados, 6 pontos a mais do que o volume desta quarta. Na ponta de quem desaprova o mandato do petista também há movimentação: eram 35% na pesquisa anterior e hoje são 42%.

Alterações semelhantes também podem ser vistas na avaliação geral do governo, em que 38% marcam como positiva e 29% marcam como negativa. Os grupos eram de 42% e 24%, respectivamente, no levantamento anterior. O grupo com visão regular sobre o governo se manteve em 29%.

O movimento, esclarece o pesquisador Felipe Nunes, CEO da Quaest, é generalizado e não se concentra em nenhum segmento específico da população. Há, inclusive, recuos entre os próprios eleitores de Lula, bem como uma interrupção da melhora na percepção entre aqueles que votaram em Bolsonaro. As alterações, diz Nunes, podem estar relacionadas a uma pior visão da economia.

“Uma das maneiras de entender se o crescimento da desaprovação está associado a um mau humor mais geral da população é avaliando se o país está indo na direção certa ou errada. De junho a outubro cresceu 8 pontos o percentual de quem acha que o Brasil está indo na direção errada”, destaca o pesquisador.

“A primeira parte da explicação é econômica. Aumentou 9 pontos o percentual de quem avalia que a economia piorou no último ano (saiu de 23% para 32%), enquanto se manteve o percentual de quem acha que melhorou (33%)”, completa.

A piora na percepção, mostram os dados da pesquisa, se dão pelo entendimento de que contas de água, luz e telefone aumentaram nos últimos meses, assim como os preços de alimentos e combustíveis. Saltou de 48% para 57% quem viu piora nas contas gerais; de 37% para 42% o grupo que viu piora nos preços dos alimentos; e de 31% para 43% quem viu piora no preço dos combustíveis.

O resultado faz com que se identifique um recuo de 9 pontos percentuais no grupo que vislumbrava melhora na economia nos próximos  12 meses. As perspectivas para inflação e desemprego seguem o mesmo padrão de aumento no grupo com visão negativa.

Em outra frente de explicações para a piora nos índices de Lula e do governo, Nunes também destaca a ‘guerra de narrativas’ que vem sendo travada desde a eleição. Segundo o pesquisador, as notícias positivas não conseguiram superar as negativas, conforme apontam os dados do levantamento.

Ao todo, 41% dos entrevistados diz não ter ouvido nenhuma notícia positiva sobre o atual governo nos últimos meses. Cresce também a insatisfação com o volume de viagens do presidente Lula (55%) e a percepção de que elas não trouxeram ‘resultados adequados’ ao País (49%).

“Mas nem tudo é problema. O governo recebe ótima avaliação em relação à postura pacifista que adota sobre a guerra. As conversas de Lula com todos os lados e a disponibilização do avião para resgate dos brasileiros em Gaza recebem avaliação positiva de 85%”, destaca também o pesquisador.

Para chegar aos resultados, a Quaest entrevistou presencialmente 2 mil eleitores brasileiros. A pesquisa foi realizada entre os dias 19 e 22 de outubro, tem margem de erro de 2,2 pontos percentuais e nível de confiança de 95%.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo