Política

Lula diz que não aceitará tornozeleira eletrônica: “Coloquem no Moro”

Preso em Curitiba, ex-presidente afirmou que não está ‘precisando de favor’: ‘Eu vou provar que eles são uns canalhas’

O ex-presidente Lula
O ex-presidente Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que prefere ficar na cadeia mesmo se a Justiça autorizar o cumprimento de sua pena por prisão domiliciar. A declaração ocorreu durante entrevista a CartaCapital, na quarta-feira 4.

Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba desde 7 de abril de 2018, por corrupção e lavagem de dinheiro no processo que envolve o triplex do Guarujá. O ex-presidente foi condenado, pela primeira vez, em junho de 2016 pela Operação Lava Jato. Sua pena é de 8 anos e 10 meses.

O petista diz que não aceitará formatos alternativos de cumprimento da pena porque não está “precisando de favor”.

“A verdade tem que ser dita, não tem negociata. Eu estou aqui dentro já há mais de um ano e meio, estão tolhendo a minha liberdade há um ano e meio. Isso vai ter um preço quando eu sair daqui. O Estado vai ter que se responsabilizar. Não adianta vir com favor para mim, que eu não estou precisando de favor. Não adianta vir dizendo ‘ah, coitado do Lula, ele já está com 74 [anos], deixa ele ir para casa fazer prisão domiciliar”, disse.

Na sequência, o ex-presidente xingou os condutores da Operação Lava Jato de “canalhas”.

“Falam ‘ah, vamos colocar uma tornozeleira nele’. Primeiro: eu não sou pombo correio. Se quiser colocar uma corrente, coloquem no pescoço do [ministro da Justiça, Sérgio] Moro, não na minha canela. Segundo: eu só saio daqui com a minha inocência total. Ou esses canalhas provam que eu errei, ou eu vou provar que eles são uns canalhas e eles vão ficar desmoralizados”, atacou.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!