Política

Lula defende ‘fim da perseguição’ contra Julian Assange, fundador do WikiLeaks

‘Deveria ter ganhado o Prêmio Pulitzer ao revelar segredos dos poderosos, ao invés disso está preso’, afirmou o presidente

Foto: Evaristo Sa/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) defendeu, neste domingo 19, o fim do que chamou de perseguição contra o jornalista e fundador do site WikiLeaks Julian Assange.

“Deveria ter ganhado o Prêmio Pulitzer ao revelar segredos dos poderosos, ao invés disso está preso há 5 anos na Inglaterra”, disse Lula em seu perfil no X (antigo Twitter).

“Condenado ao silêncio de toda a imprensa que deveria estar defendendo a sua liberdade como parte da luta pela liberdade de expressão. Espero que a perseguição contra Assange termine e ele volte a ter a liberdade que merece o mais rápido possível”, completou.

A Justiça britânica decidirá nesta segunda-feira 20 se concede a Julian Assange uma última apelação no Reino Unido para evitar sua extradição para os Estados Unidos, caso o país não ofereça novas garantias sobre o tratamento que o fundador do Wikileaks receberia.

Assange, de 52 anos, enfrenta nos Estados Unidos uma sentença de 175 anos de prisão por ter publicado, desde 2010, mais de 700.000 documentos confidenciais sobre atividades militares e diplomáticas dos Estados Unidos, particularmente relacionadas ao Iraque e Afeganistão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo