Política

Lula defende a geração de empregos formais: ‘Entregador não pode ser considerado empreendedor’

‘As pessoas trabalham sentindo o cheiro da comida, sem ter dinheiro para comprar o que eles entregam’, disse o ex-presidente

Lula durante visita a floresta amazônica - Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Em visita ao Amazonas, nesta quarta-feira 31, o ex-presidente Lula (PT) defendeu a geração de empregos formais no Brasil. O candidato discutia o empobrecimento da população e o aumento dos números de ocupados, resultado do crescimento dos trabalhos informais. 

Entre as classes que simbolizam a população mais afetada neste cenário, o ex-presidente mencionou os entregadores. “As pessoas que trabalham com motocicleta, entregando comida, sentindo o cheiro da comida sem ter dinheiro pra comer, não podem ser considerados empreendedores”, afirma. “Tá mais para ser considerado quase um trabalho escravo.” 

Nesse sentido, ele defendeu a regulação e a criação de leis que garantam ao autônomos os mesmos direitos trabalhistas de um profissional com carteira assinada. Além de promover a renegociação das dívidas das pequenas e médias empresas.

Acompanhado de Janja, sua esposa, também falou sobre políticas públicas para populações negras e indígenas e prometeu reduzir a zero os garimpos em terras originárias. 

Também participaram da agenda os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Omar Aziz (PSD-AM), candidato à reeleição e Eduardo Braga (MDB-AM), candidato ao governo estadual.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo