Mundo

Lula chega à Alemanha após participar da COP28; veja o que está em jogo na viagem

Esta é a primeira visita do petista a um país do G20 após o Brasil assumir a presidência do grupo, na última sexta 1º

Chegada do presidente Lula a Berlim, em 3 de dezembro de 2023. Neste 2024, Lula promete viajar mais pelo Brasil (Foto: Ricardo Stuckert/PR)
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) chegou neste domingo 3 a Berlim, na Alemanha, onde permanecerá até a terça-feira 5. Após ser recebido por autoridades, ele interagiu com apoiadores.

Ainda neste domingo, o chanceler Olaf Scholz oferece um jantar a Lula e à primeira-dama Janja da Silva.

Na segunda-feira, o presidente brasileiro comandará, ao lado do chanceler Olaf Scholz, a 2ª Reunião de Consultas Intergovernamentais de Alto Nível, com a participação de ministros dos dois países.

Um dos objetivos da viagem é ampliar a aliança na área de tranformação ecológica. Autoridades de ambos os países devem assinar uma série de acordos nas áreas de meio ambiente e mudança do clima, agricultura, bioeconomia, saúde, ciência, tecnologia e inovação, desenvolvimento global, integridade da informação e combate à desinformação.

“Chegada em Berlim para reunião entre o governo alemão e brasileiro, para reforçar nossa parceria e cooperação em muita áreas – energia, indústria, combate às fake news e transição ecológica. Retomando o diálogo com os alemães que tinha sido abandonado em governos anteriores, uma das maiores e mais avançadas economias do mundo”, publicou Lula nas redes sociais.

Esta é a primeira visita de Lula a um país do G20 após o Brasil assumir a presidência do grupo, na última sexta 1º.

Também na segunda 4, ele se reunirá com o presidente Frank-Walter Steinmeier e com a presidenta do Conselho Federal, Manuela Schwesig. No final da tarde, Lula participará de um fórum empresarial ao lado de Scholz.

Segundo dados do Palácio do Planalto, o comércio bilateral entre Brasil e Alemanha alcançou 19 bilhões de dólares em 2022. Entre janeiro e outubro de 2023, somou 15,9 bilhões de dólares. Além disso, mais de mil empresas alemãs atuam no Brasil.

Na viagem à Alemanha, Lula também deve tratar com Scholz das negociações em torno do acordo entre o Mercosul e a União Europeia, que recebeu críticas públicas do presidente da França, Emmanuel Macron, neste fim de semana.

Neste domingo, antes de embarcar para Berlim, o petista comentou sobre o tema com jornalistas em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. A Alemanha é um dos países que defendem o acordo.

“Se não tiver acordo, paciência, não foi por falta de vontade. A única coisa que tem que ficar clara é que não digam mais que é por conta do Brasil e que não digam mais que é por conta da América do Sul”, disse o presidente.

“Assuma a responsabilidade de que os países ricos não querem fazer um acordo na perspectiva de fazer qualquer concessão, é sempre ganhar mais. Nós não somos mais colonizados, nós somos independentes, nós queremos ser tratados apenas com o respeito de países independentes que tem coisas para vender, e as coisas que temos têm preço. O que queremos é um certo equilíbrio.”

No sábado, Macron classificou o acordo como “incoerente” e “mal remendado”. Segundo ele, os termos “não levam em conta a biodiversidade e o clima dentro dele”.

Já segundo Lula, a França é protecionista sobre seus interesses agrícolas. Além disso, o petista defende alterações em pontos do acordo de livre comércio sobre licitações de compras governamentais, porque, em sua avaliação, trata-se de uma política indutora do desenvolvimento da indústria nacional.

Aprovado em 2019, após 20 anos de negociações, o acordo Mercosul-UE precisa ser ratificado pelos parlamentos de todos os países dos dois blocos para entrar em vigor. A negociação envolve 31 nações e trata de temas tarifários e regulatórios, como serviços, compras públicas, facilitação de comércio, barreiras técnicas, medidas sanitárias e fitossanitárias e propriedade intelectual.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.