Política

Le Monde analisa motivações por trás de ‘Bolsonaro, o presidente-miojo’

O jornal francês destaca, com uma certa ironia, o fato do presidente do Brasil ter gostos de comida simples e terrivelmente restritos

Bolsonaro em sua viagem para o Japão. 
Foto: reprodução
Bolsonaro em sua viagem para o Japão. Foto: reprodução

Segundo o correspondente do jornal francês no Brasil, Bruno Meyerfeld, a postura anti-gastronômica do presidente brasileiro não teria nada de ingênua. Ela seria executada para apelar ao eleitorado do “Brasil profundo”, e faria parte de uma estratégia de comunicação eficaz.

“Em suas viagens internacionais, há uma coisa que Jair Bolsonaro nunca esquece de levar em sua mala”, escreve o jornalista Bruno Meyerfeld, correspondente do Le Monde no Brasil.  “Seria um livro? Um amuleto da sorte? Uma arma? Nada disso. São pacotes de macarrão instantâneo”.

O jornal francês destaca, não sem certa ironia, o fato do presidente do Brasil ter “gostos de comida simples e terrivelmente restritos, impedindo-o de tocar em vários pratos, especialmente no exterior”.

“Essa sensibilidade palaciana foi expressa excessivamente – como sempre – durante uma viagem ao Japão de 21 a 24 de outubro”, publica o vespertino. Le Monde lembra que, Bolsonaro, visitando Tóquio para a entronização do imperador Naruhito, foi convidado a um “banquete imperial”, “infinitamente refinado baseado em peixes e frutos do mar, especialmente projetado para chefes de estado e cabeças coroadas como o príncipe Charles, Albert de Mônaco ou o presidente alemão Frank-Walter Steinmeier”.

Falha diplomática

“Desembarcado no banquete de fraque, com o peito envolto em medalhas, Bolsonaro não abriu mão de seus hábitos e não tocou no banquete sumptuoso – contente com o famoso macarrão, preparado e provado no hotel após as festividades”, conta Meyerfeld aos franceses.

“Eu não gosto de comida à base de peixe, como apenas frito e cozido, explicou o presidente aos repórteres, acrescentando que não havia comido nada”, cita o jornal. “Uma falha diplomática, quase uma afronta suprema, na terra do sushi e do sashimi”, avalia o repórter.

“Como sempre, Bolsonaro não se escondeu nem se desculpou. Pelo contrário. Visivelmente orgulhoso de seu gesto, o presidente de extrema direita chegou a posar para uma transmissão de fotos nas redes sociais, com um pacote de miojo na mão”, publica Le Monde.

“Ele comeria até pedras”

“Mas com o “presidente-miojo”, como é apelidado, os cozinheiros do palácio de Alvorada (residência do Chefe de Estado) tiveram que reduzir seu cardápio”, explica Le Monde. “Bolsonaro não tem exigências, ele comeria até pedras”, já disse à imprensa uma próximo do chefe de Estado.

“A ‘bolstronomia’ pode ser resumida em feijoada (prato nacional feito de arroz, feijão e mandioca), carne grelhada, sanduíches e refrigerantes. A única extravagância (um pouco nauseante) do presidente acompanha o café da manhã: Bolsonaro de fato espalharia no seu pão… leite condensado”, diz o jornalista.

Uma estratégia de comunicação eficaz

Le Monde recorda que “ de Nova York ou Brasília, Bolsonaro multiplicou suas ‘viagens de cantina’ ou ‘autoatendimento’. “Porque, apesar das aparências, essa postura anti-gastronômica é bem pensada e faz parte de uma estratégia de comunicação eficaz”, diz o jornal.

“Mas toda a família Bolsonaro não come do mesmo prato”, lembra o jornal. “Visitando Washington no final de agosto, Eduardo, o filho querido do presidente, fez uma boa refeição com os assessores e o Ministro de Relações Exteriores, em um restaurante muito chique da capital norte-americana: o Del Mar, às margens do Potomac”, diz o periódico.

“No cardápio do almoço: paella, tapas e sangria, com uma conta salgada de quase US$ 1.000 dólares, segundo a imprensa; tudo à custa do contribuinte. Um pouco envergonhado, Eduardo saiu do estabelecimento pela cozinha. Sem dúvida, para evitar as perguntas dos jornalistas”, afirma Le Monde.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!