Política

Joice diz ter convidado William Waack para ser chanceler, mas filhos de Bolsonaro impediram

‘Quando ele estava se organizando para ir para a Brasília, eles atravessaram aquele imbecil do Ernesto Araújo’, afirmou a ex-deputada ao UOL

A ex-deputada Joice Hasselmann. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

A ex-deputada federal Joice Hasselmann (Podemos) afirmou ter convidado William Waack para ser ministro das Relações Exteriores do governo de Jair Bolsonaro (PL). Segundo ela, o jornalista chegou a aceitar o convite, mas os filhos do então presidente impediram a concretização das conversas.

A declaração foi concedida em entrevista ao programa Alt Tabet, do UOL, e divulgada nesta quinta-feira 23.

“Eu convidei o William Waack para ser o ministro das Relações Exteriores. Ele topou. Quando ele estava se organizando para ir para a Brasília, eles [filhos de Bolsonaro] atravessaram aquele imbecil do Ernesto Araújo“, disse a ex-parlamentar.

William Waack ainda não se pronunciou sobre a afirmação de Hasselmann. Atualmente, o jornalista trabalha na CNN Brasil – à época, já havia deixado a TV Globo.

Ainda segundo Joice, os filhos de Bolsonaro também teriam interferido na escolha do responsável pelo Ministério da Educação.

“O Carlos [Bolsonaro] eu vi uma vez na vida, quando fui na casa do Bolsonaro, no Rio de Janeiro, levar a Viviane Senna, que era minha indicada para ser ministra da Educação”, relembrou. “E aí o que eles fizeram? Atravessaram aquele idiota do Vélez, sendo que a gente já tinha fechado com a Viviane e o Mozart [Neves]. Olha o que a gente perdeu.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo