Política

Janja volta ao X após recuperar conta hackeada

Na primeira publicação após o retorno à rede social, Janja pediu ‘responsabilização da plataforma’

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

A primeira-dama Janja da Silva voltou a publicar em sua conta no X, antigo Twitter, após ter tido sua conta hackeada na semana passada. O retorno ocorre poucos dias após a Polícia Federal cumprir duas fases da operação contra os suspeitos da invasão.

Na primeira publicação após o retorno, feita na noite deste domingo 17, Janja pediu que a plataforma também seja responsabilizada pelo hackeamento do seu perfil. Ela adicionou, ainda, a informação de que seu LinkedIn foi invadido.

“Pensei muito sobre voltar ou não para essa rede social, não apenas por causa das agressões que aconteceram em meu perfil, mas principalmente por toda a demora dos administradores da rede X em agir, congelando meu perfil para que as agressões parassem de ser postadas e pudessem ser silenciadas”, destacou.

De acordo com Janja, apesar da agilidade em comunicar da sua equipe em comunicar ao antigo Twitter os problemas no seu perfil e solicitar o bloqueio da sua conta, os administradores da rede social demoraram a agir, o que fez com que ela se sentisse ‘exposta, agredida, ameaçada e desrespeitada como nunca antes’. Ela alega ainda que a demora se deu, também, na entrega de dados para um relatório da Polícia Federal.

“O transtorno e a burocracia continuaram para que a conta fosse recuperada e o relatório da plataforma fosse finalmente entregue para investigação da Policia Federal , o que aconteceu somente quatro dias depois dos crimes cometidos”, relatou a primeira-dama.

Após citar o perfil do suspeito pelo ataque hacker, um adolescente de 17 anos, que confessou ter invadido a conta e feito as postagens contra Janja, ela cobrou, então, a responsabilização da plataforma.

“Precisamos falar sobre a responsabilização das plataformas. Não podemos permitir que cada vez mais crimes de ódio sejam cometidos contra nós, mulheres, fora e dentro do ambiente online”, cobrou. “Não podemos permitir que as plataformas sigam lucrando em cima do ódio, coisa que tenho certeza que aconteceu no caso da invasão do meu perfil. Um hora e meia de monetização para o X”, completou, em seguida.

Por fim, a primeira-dama informou que seu retorno será focado em lutar para que outras mulheres não passem pelo mesmo ocorrido.

Entenda o caso

Na semana passada, Janja teve sua conta no X invadida e, durante mais de um hora, os responsáveis pelo ataque cibernético publicaram mensagens misóginas e contra o presidente Lula.

Na terça-feira 12, a Polícia Federal cumpriu quatro mandados de busca e apreensão em Minas Gerais contra suspeitos de participação no ataque hacker.

A busca se repetiu dois dias depois, a partir de novos indícios em celulares e computadores apreendidos. A operação, dessa vez, se deu em Sobradinho e Santa Maria, no Distrito Federal. Neste mesmo dia, um adolescente de 17 anos confessou ter sido um dos autores do ataque.

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo