Política

Janja se diz alvo de misoginia como primeira-dama: ‘Tenho sofrido todos os dias’

Em evento ao lado da ministra das Mulheres, a socióloga reforçou a necessidade de ‘ressignificar’ o papel que ocupa

Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a primeir Dama, Janja Lula desembarcam em Portugal. Foto Ricardo Stuckert/ PR
Apoie Siga-nos no

A esposa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Rosângela da Silva, afirmou nesta quarta-feira 31, que tem sofrido diversos ataques misóginos em razão de sua atuação como primeira-dama. 

A declaração foi dada durante um evento do setor elétrico, que também tinha entre os convidados a ministra Cida Gonçalves, do Ministério das Mulheres. 

Em seu discurso, Janja reforçou a necessidade de “ressignificar” o papel da primeira-dama.

“Eu sempre falo que eu quero nesses quatro anos tentar ressignificar o papel de uma primeira-dama. Eu quero estar mais atuante, mais próxima das causas que me são mais caras. (…) Cada vez que eu ouço uma mulher falando que não desistiu, pra mim, é muito importante. Porque eu também sei o que eu estou sofrendo nesse lugar que eu estou ocupando hoje”, disse. “Talvez muitos homens não consigam entender o que significa. Mas a gente sofre todos os dias, eu tenho sofrido todos os dias.”

Desde o início do mandato de Lula, a socióloga vem sendo alvo de críticas, inclusive de integrantes do governo, que a acusam de ‘bloquear’ a agenda do presidente e de se envolver de modo impróprio em questões do governo.

A primeira-dama tem ocupado lugar de protagonismo tanto no governo como em decisões importantes, a exemplo da demissão do ex-ministro do GSI, Gonçalves Dias. Ela também participa de reuniões ministeriais e com integrantes de comissões internacionais. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo