Irmão de Weintraub anuncia saída do governo para assumir cargo na OEA

Em vídeo nas redes sociais, Arthur disse ter sido uma 'honra' trabalhar para o governo Bolsonaro

FOTO: Reprodução/REDES SOCIAIS

FOTO: Reprodução/REDES SOCIAIS

Política

O assessor especial da Presidência da República e irmão do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub, Arthur Weintraub, anunciou pelas redes sociais nesta terça-feira 15 sua saída do governo de Jair Bolsonaro para assumir um cargo na Organização dos Estados Americanos (OEA).

No vídeo publicado, ele diz que foi uma “honra” trabalhar para o governo. “Estou triste porque vou deixar o cargo de assessor do presidente Bolsonaro. Quero dizer para ele que foi uma honra, de coração, foi uma honra ter trabalhado para o senhor, essa oportunidade que o senhor me deu”, disse a Bolsonaro, que também aparece na filmagem.

O presidente elogiou Arthur e disse ter recebido apoio dele e de Abraham antes mesmo das eleições presidenciais de 2018. “Dois anos antes das eleições, o Arthur e seu irmão acreditaram na gente. Fizemos uma viagem ao Japão, Coreia do Sul e Taiwan, também conversamos muito em um momento em que quase ninguém acreditava na gente e tivemos o sucesso da eleição”, disse Bolsonaro.

Assista ao vídeo:

Abraham Weintraub

O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub, irmão de Arthur, desembarcou nos Estados Unidos em junho, após ser exonerado do cargo no MEC. No final de julho, teve seu nome aprovado pelo Banco Mundial para se tornar diretor-executivo do conselho da instituição.

Weintraub deixou o MEC em meio a uma série de polêmicas. Alvo de dois inquéritos, um que apura suposto racismo contra chineses e outro que investiga ameaças a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), ele foi indicado ao cargo no Banco Mundial pelo governo de Jair Bolsonaro.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital. Twitter: leomiazzo

Compartilhar postagem