Política

Greve contra privatizações em São Paulo é ‘puro oportunismo’, diz Tarcísio

Funcionários da CPTM, Metrô, Fundação Casa e Sabesp paralisaram atividades em todo o estado contra as propostas de concessão do governador

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas. Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), usou suas redes sociais para criticar a greve unificada realizada na região metropolitana da capital, nesta terça-feira 28.

Pelo X, antigo Twitter, o governador classificou a paralisação como ilegal e abusiva”, realizada “por puro oportunismo” de uma minoria.

“Estamos trabalhando para minimizar os impactos de mais uma greve ilegal e abusiva que tenta colocar a população refém de uma pauta política e corporativista. Uma minoria que não se constrange em impor prejuízo e sofrimento a milhares de trabalhadores por puro oportunismo. Não é só egoísmo, é irresponsabilidade e crueldade com quem depende do transporte público”, afirmou o governador.

A greve unificada na capital é promovida pelos servidores públicos estaduais que protestam contra a agenda de privatizações de empresas e órgãos públicos no estado.

Os protestos paralisaram a linha 15 do metrô e linha 10 da CPTM. Mais três linhas do metrô e quatro linhas ferroviárias funcionam parcialmente.

A mobilização também conta com a adesão de professores estaduais, funcionários da Sabesp e de trabalhadores da Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente (Fundação Casa).

Esse é a 11ª greve enfrentada pela gestão Tarcísio em um só ano. Apenas em 2023 já foram realizadas três paralisações.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.