Economia

Governo federal autoriza novos concursos com quase 2,5 mil novas vagas

Além das vagas novas, haverá 546 nomeações para concursos já realizados

A ministra da Gestão e Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governo federal vai realizar concursos públicos para 2.480 cargos efetivos na estrutura federal. O anúncio foi feito pela ministra da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, em cerimônia realizada em Brasília nesta terça-feira 18.

De acordo com a ministra, as vagas serão para 23 órgãos da União. Além do montante, vão ser feitas outras 546 nomeações para concursos já realizados, totalizando 3.026 vagas em concursos públicos. 

A expectativa do governo federal, segundo Dweck, é que o custo aos cofres da União seja de 546 milhões de reais por ano.

“De fato, é o maior anúncio em muitos anos. É fruto um pouco desse represamento”, disse Dweck. A ministra considera que o quantitativo atual de servidores no Executivo federal está “muito inferior” ao necessário “para prestar bons serviços à população”.

A ministra teceu críticas à gestão de Jair Bolsonaro (PL), que, segundo ela, reduziu o quadro de maneira excessiva. “É difícil dizer qual área está mais carente”, disse a ministra.

No primeiro ano do seu mandato, por exemplo, Bolsonaro extinguiu 61,5 mil cargos da estrutura federal por meio de decreto. O número de 2019, por si só, foi 31% superior que todos os cortes realizados por Michel Temer (MDB), que, durante a sua passagem pela Presidência, extinguiu, também por decreto, 42 mil cargos da estrutura federal, tendo sido, antes do governo Bolsonaro, a gestão que mais cortes de cargo promoveu. 

Segundo dados atualizados do Ministério da Gestão – apresentados na coletiva de hoje -, em 2018, a força de trabalho no governo federal era composta por 630.689 servidores. Em 2023, o número é de 555.087 pessoas.

Órgãos contemplados

A ministra anunciou que novos concursos serão realizados para 19 órgãos da estrutura federal. Os órgãos e os seus respectivos números de vagas são: 

  • ANA (Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico): 40 vagas
  • ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil): 70 vagas
  • ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações): 50 vagas
  • ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica): 40 vagas
  • ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar): 35 vagas
  • ANTAQ (Agência Nacional de Transportes Aquaviários): 30 vagas
  • ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres): 50 vagas
  • ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária): 50 vagas
  • BACEN (Banco Central do Brasil): 100 vagas
  • CVM (Comissão de Valores Mobiliários): 60 vagas
  • IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística): 895 vagas
  • IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada): 80 vagas
  • MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços): 50 vagas
  • MF (Ministério da Fazenda): 40 vagas
  • MGI (Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos): 500 vagas
  • MGI (Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos): 150 vagas
  • MJSP (Ministério da Justiça e Segurança Pública): 100 vagas
  • MPO (Ministério do Planejamento e Orçamento): 100 vagas
  • PREVIC (Superintendência Nacional de Previdência Complementar): 40 vagas

Além das vagas para novos concursos, serão nomeados os candidatos aprovados em concursos já realizados para cinco órgãos. Os órgãos e as respectivas vagas são:

  • ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade): 160
  • IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis): 257
  • IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional): 102
  • ANM (Agência Nacional de Mineração): 27

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo