Economia

Gleisi acusa Campos Neto de apoiar a pressão pelo fim do parcelamento sem juros

A presidenta do PT divulgou a campanha ‘Parcelo Sim’, pela manutenção da modalidade de compra no Brasil

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, acusou o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, de apoiar a “pressão” de bancos privados em prol do fim do parcelamento sem juros no cartão de crédito.

Em postagem na rede social X, nesta terça-feira 5, a petista divulgou o movimento “Parcelo Sim”, que envolve entidades e políticos pela manutenção da possibilidade de parcelamento sem acréscimo.

“Tá rolando uma forte pressão dos grandes bancos privados, apoiados por Campos Neto, pra acabar com as compras parceladas sem juros no cartão de crédito ou limitar a apenas três vezes”, escreveu a deputada.

“Altos juros e lucros enormes e ainda assim querem prejudicar o povo com essa ideia esdrúxula e cruel. Como o brasileiro mais pobre vai fazer? Isso só vai atrapalhar a economia e limitar o poder de compra da população. Venha conosco participar do movimento ‘Parcelo Sim!'”, publicou.

Mais cedo, Campos Neto questionou a modalidade de parcelamento durante uma entrevista organizada pelo site Jota. Em outubro, ele propôs a limitação das parcelas nessas condições.

O movimento em defesa do parcelamento sem juros ocorre enquanto os bancos cumprem o prazo de 90 dias para apresentar uma proposta de regulação sobre o rotativo do cartão de crédito.

Conforme mostrou CartaCapital, a pressão dos bancos sobre o parcelamento ocorre desde quando o governo enviou ao Congresso a medida provisória que instituiu o programa Desenrola Brasil.

Quando o Desenrola foi aprovado, os parlamentares incluíram uma limitação nos juros do rotativo para que não ultrapassem os 100% da dívida. Atualmente, esse índice é maior que 400% ao ano.

Apoiam o movimento pelo parcelamento entidades como a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes e a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor. A campanha foi lançada em 21 de novembro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.