Gilmar Mendes diz que mudança de dados do coronavírus “é manobra de regimes totalitários”

O ministro do STF criticou a mudança do governo e fala em responsabilidade pelo eventual genocídio

O ministro Gilmar Mendes. Foto: Carlos Moura/SCO/STF

O ministro Gilmar Mendes. Foto: Carlos Moura/SCO/STF

Política

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, criticou a decisão do governo de alterar a divulgação dos dados do coronavírus no Brasil. Em seu Twitter, neste sábado, o ministro afirmou que “a manipulação de estatísticas é manobra de regimes totalitários”.

“Tenta-se ocultar os números da #COVID19 para reduzir o controle social das políticas de saúde. O truque não vai isentar a responsabilidade pelo eventual genocídio”, disse mendes, que encerrou a mensagem utilizando uma # contra a censura e dizendo que ditadura nunca mais. 

Após dois dias seguidos de recordes de mortes pelo coronavírus, o ministério da Saúde do governo de Jair Bolsonaro decidiu mudar a comunicação oficial dos dados da pandemia. Desde sexta-feira 05, o comunicado enviado à imprensa não contém o total de óbitos e infectados, como acontece desde o início dos casos no país —apenas os registros do dia foram divulgados.

O site no qual as informações são compiladas também saiu do ar e só retornou na noite deste sábado, mas com os números incompletos.  O presidente compartilhou em suas redes sociais uma nota do ministério justificando a alteração. “Ao acumular dados, além de não indicar que a maior parcela já não está com a doença, não retratam o momento do país. Outras ações estão em curso para melhorar a notificação dos casos e confirmação diagnóstica”.

Outra alteração foi no horário que os dados são divulgados. Na gestão do ex-ministro Henrique Mandetta, os números eram divulgados às 17h. Na gestão do ex-ministro Nelson Teich o boletim era enviado às 19h. Agora, a divulgação é feita às 22h. Segundo a nota compartilhada por Bolsonaro, a alteração se deu para evitar subnotificação e inconsistências, “o que permite passar por esse processo completo”.

No dia anterior, no entanto, o presidente afirmou que a alteração no horário acabaria com matéria no Jornal Nacional, da TV Globo. Com isso, a emissora decidiu divulgar os dados através de um plantão urgente, como aconteceu nesta sexta-feira.

Rodrigo Maia critica mudanças

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também criticou neste sábado (6) as mudanças feitas pelo Ministério da Saúde na divulgação de dados do coronavírus. “Eu liguei para o ministro Jorge hoje, pedi a ele, fiz um apelo em nome da Câmara que o governo restabelecesse os dados, a transparência. É para nós termos a informação, isso é importante, mas é para que prefeitos e governadores com as informações do Brasil possam tomar suas decisões cada dia”, declarou Maia.

A declaração de Maia foi feita em uma live no Instagram com o cantor Tico Santa Cruz. O parlamentar disse que a própria Câmara dos Deputados ou o Tribunal de Contas da União (TCU) podem assumir a função de consolidar os dados – ou seja, emitir um boletim “paralelo”.

“Eu disse ao ministro Jorge que nós não queremos ter que criar uma estrutura para ter que consolidar informação. Até porque é o seguinte: essas são informações que não são do governo federal, são dos estados. Então, os estados vão divulgar de qualquer jeito, alguém vai consolidar. Vai ser a Câmara, vai ser o TCU? Alguém vai consolidar e vai dar publicidade a isso. Agora é muito ruim que a gente precise estar pedindo, está preocupado com um assunto como esse. É óbvio que a transparência é fundamental”, afirma Maia.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem