Política

Gestão Tarcísio se nega a dizer quanto gastou para hospedar Bolsonaro no Palácio dos Bandeirantes

A gestão do ex-ministro bolsonarista alegou sigilo para não responder ao pedido de informação feito pela deputada Erika Hilton (PSOL-SP)

Foto: Alan Santos/PR
Apoie Siga-nos no

Após passar por procedimentos cirúrgicos em São Paulo, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) foi recebido por seu afilhado político, o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), na sede do Palácio dos Bandeirantes. Na residência oficial do estado, ele ficou hospedado entre 14 e 19 de setembro deste ano. 

O gasto para manter o ex-presidente no local, no entanto, é desconhecido. Isso porque, a despesa gerada na estadia é tratada como sigilosa pela gestão do governador Tarcísio de Freitas. A informação consta em uma resposta da Secretaria da Casa Civil do governo paulista a uma solicitação feita pela deputada Erika Hilton (PSOL-SP), via Lei de Acesso à Informação, protocolada no dia 19 de setembro.

Resposta da Secretaria da Casa Civil do Governo de São Paulo ao requerimento de LAI da deputada Erika Hilton (PSOL-SP) — Foto: Arquivo pessoal

O entendimento da Controladoria Geral da União citado na resposta como argumento para a recusa do governo paulista diz prevê proteção de informações pessoais de autoridades, exceto se “disserem respeito a agendas oficiais” ou “a agentes privados que estejam representando interesses junto à Administração Pública”. Usando este ponto, Erika protocolou um recurso. O governo tem 10 dias para responder.

O pedido da parlamentar também objetiva compreender qual a função política que Bolsonaro poderia ter exercido em reuniões no Palácio. Neste ponto, ela faz uma série de perguntas. São elas:

  • II – Quais os custos totais para o Governo do Estado de São Paulo desta residência temporária?
  • III – No âmbito da administração do Governo do Estado de São Paulo do Direito Administrativo, qual a motivação desta hospedagem?
  • IV – Quantas, e quais reuniões entre membros do Governo com Bolsonaro ocorreram no Palácio ao longo dessa estadia? Quem foram os participantes dessas reuniões?
  • V – Quantas, e quais reuniões entre membros do Governo ocorreram no Palácio a respeito da onda de calor extremo que atinge o Estado durante o mesmo período? Quem foram os participantes dessas reuniões?

Neste trecho do pedido, a Casa Civil se limitou a dizer que a motivação para estadia foi uma “cortesia” do governador. Eles negam, portanto, o caráter político da visita.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo