Fundo Eleitoral de R$ 5,7 bilhões não será sancionado, diz Bolsonaro

Segundo presidente, a cifra aprovada é astronômica e poderia ser mais bem utilizada

Foto: Miguel SCHINCARIOL / AFP

Foto: Miguel SCHINCARIOL / AFP

Política

O presidente Jair Bolsonaro pretende vetar o fundo eleitoral de 5,7 bilhões de reais, aprovado pelo Congresso Nacional na semana passada com votos da bancada governista.  A declaração foi dada à TV Brasil.

 

 

 

Na avaliação de Bolsonaro,  em obras de infraestrutura. “É uma cifra enorme, que no meu entender está sendo desperdiçada, caso ela seja sancionada. Posso adiantar para você que não será sancionada”, afirmou o chefe do Palácio do Planalto.

Ontem, ao deixar o hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde ficou internado por quatro dias para tratar uma obstrução parcial do intestino, Bolsonaro afirmou que a elevação do fundo eleitoral para 5,7 bilhões de reais – mais do que o triplo destinado às eleições de 2018, quando foi distribuído 1,8 bilhão – foi uma “casca de banana” dentro da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Ele jogou a culpa pelo aval dado ao Parlamento à proposta no vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), que liderava a sessão.

Assista a entrevista:

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem