Política

Fundação Palmares é desidratada e presidente diz tirar “esquerdistas”

Comitês estratégicos e outros que gerenciam o Parque Memorial Quilombo dos Palmares foram extintos. Organização denuncia ‘totalitarismo’

O presidente da Fundação Palmares, Sergio Camargo (Foto: Reprodução/Twitter)
Apoie Siga-nos no

Uma portaria publicada no Diário Oficial da União da terça-feira 10 anunciou a centralização de poder da Fundação Cultural Palmares, ligada ao Ministério do Turismo, nas mãos do presidente da instituição Sérgio Camargo, que afirmou estar tirando “esquerdistas” do governo.

A publicação extinguiu diversas comissões e comitês administrativos de diversos braços da Fundação Palmares, que tem como princípio o dever de preservar e promover as culturas negras presentes no País. A portaria acabou com comitês técnicos, como os de governança, dados abertos, gestão de logística sustentável e segurança da informação, e também alterou membros do Memorial Quilombo dos Palmares, sediado em Alagoas.

O presidente da Fundação já é conhecido por sua sequência de ataques ao movimento negro e às pautas de promoção da igualdade racial – Sérgio Camargo acredita, por exemplo, que não há racismo no Brasil.

Recentemente, o jornalista entrou em clima de ataque com a atual secretária especial de Cultura, Regina Duarte, que elencou o militante anti-movimento negro como mais um problema a ser resolvido dentro da pasta. Na segunda-feira 09, um dia antes das alterações serem publicadas, Camargo afirmou que não levava “esquerdistas” para o governo de Jair Bolsonaro em resposta às críticas tecidas por Duarte. “Muito pelo contrário, estou tirando!”, escreveu.

Entre as alterações publicadas, Sérgio Camargo também revogou planos estratégicos para a Fundação Palmares que haviam sido estabelecidos em gestões passadas – o que caracteriza a mudança de rumos do órgão orientado pelo viés ideológico radical do atual presidente.

Organizações do movimento negro se manifestaram nas redes sociais contra as decisões tomadas por Camargo, em especial ao que diz respeito ao Parque Memorial Quilombo dos Palmares. Segundo o Coletivo AfroCaeté, o Comitê Gestor do Parque era composto por “membros de perfis diversos e por líderes alagoanos da religião de matriz africana para quem o solo, as águas, o ar de Palmares são sagrados”, escrevem.

“Consideramos essa uma atitude não somente autoritária, mas totalitária e altamente perigosa para o que ainda restou da democracia – da qual negras, negros e indígenas mal sentiram o sabor”, complementa o Coletivo.

View this post on Instagram

O Coletivo AfroCaeté repudia a decisão do atual presidente da Fundação Palmares de extinguir sete órgãos colegiados da instituição, entre eles o Comitê Gestor do Parque Memorial Quilombo dos Palmares composto por membros de perfis diversos e por líderes alagoanos da religião de matriz africana para quem o solo, as águas, o ar de Palmares são sagrados. Consideramos essa uma atitude não somente autoritária, mas totalitária e altamente perigosa para o que ainda restou da democracia – da qual negras, negros e indígenas mal sentiram o sabor. . A Serra da Barriga é um dos maiores símbolos da resistência do povo negro e indígena brasileiros, sua construção e institucionalização como Parque Memorial e Patrimônio Cultural do Mercosul também são uma conquista do povo negro. Não foi presente, não foi doação, é fruto de luta e deve, por isso, ser mantida e gerida por quem tem saber, experiência e competência de fato. . Pedimos que todas e todos levantem-se contra mais essa violência que, por mais simbólica que pareça, fere nossa história.

A post shared by Coletivo AfroCaeté (@coletivoafrocaete_al) on

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo