“Estou em um país capitalista”, diz Bolsonaro ao desembarcar na China

No início deste mês, a China comemorou 70 anos da revolução comunista, encabeçada por Mao Tsé Tung

Presidente Jair Bolsonaro.
Foto: José Dias/PR

Presidente Jair Bolsonaro. Foto: José Dias/PR

Política

O presidente Jair Bolsonaro está em uma missão do governo pela Ásia e o Oriente médio. Após participar no Japão da cerimônia de entronização do imperador Naruhito, o pesselista chegou, na manhã desta quinta-feira 24, na China.

Ao desembarcar em Pequim, o presidente parou para conversar com os jornalistas. Ao ser questionado por um repórter se não existia nenhum constrangimento dele estar em um país comunista, Bolsonaro disparou: “Estou em um país capitalista”.

Durante sua campanha presidencial, Bolsonaro atacou o comunismo e chegou a fazer críticas a China, país que no início do mês comemorou 70 anos da revolução comunista, encabeçada por Mao Tsé Tung. Na época, Bolsonaro visitou Taiwan e afirmou que “a China não estava comprando no Brasil, mas comprando o Brasil”.

Os comentários provocaram mal-estar no governo chinês, mas aos poucos as relações foram se normalizando depois Bolsonaro tomou posse. Em maio deste ano, o vice-presidente Hamilton Mourão visitou a China e ajudou a acalmar as autoridades locais.

Ao ser questionado sobre a guerra comercial entre China e Estados Unidos, o presidente preferiu não se envolver. “Não é briga nossa”, afirmou. “Queremos nos inserir sem qualquer viés ideológico nas economias do mundo”.

Durante a tarde desta quinta-feira (23), está previsto um passeio de Bolsonaro pela Grande Muralha da China. Na sexta-feira (24), começa a agenda oficial. Depois de sua visita na China, o presidente parte para Emirados Árabes, Catar e Arábia Saudita.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem