Política

Em vídeo, Tábata Amaral se posiciona a favor da reforma da Previdência

A deputada federal de São Paulo poderá ser expulsa de seu partido após votar pela aprovação da reforma

Apoie Siga-nos no

A deputada federal Tábata Amaral (PDT-SP) postou um vídeo em suas redes sociais se posicionando sobre a reforma da Previdência, que será votada nesta quarta-feira 10 na Câmara dos Deputados. A parlamentar, que sofreu pressão do seu partido para votar contra, diz que que seu voto é positivo para o governo.

“Ao tomar essa decisão eu olho para o futuro do País e não para o próximo processo eleitoral… Ser de esquerda não pode significar que vamos ser contra um projeto que, de fato, pode transformar o Brasil mais inclusivo e mais desenvolvido”, afirmou.

Em reunião com a bancada do PDT na Câmara na terça-feira 9, o presidente do partido, Carlos Lupi, declarou que quem apoiar a reforma proposta pelo governo de Jair Bolsonaro será desligado do partido.

 

Um dos que tentaram convencer a parlamentar a votar contra a proposta foi o ex-candidato à presidência e ex-ministro Ciro Gomes, que telefonou para Tábata na terça-feira. A deputada, no entanto, alegou que, após reivindicações, o governo atendeu as demandas da bancada feminina e alterou o cálculo da aposentadoria. Ela comemorou em suas redes sociais como “vitória da bancada feminina”.

A partir de uma modificação feita no relatório da reforma da Previdência, as mulheres passam a ter direito a 60% do valor do benefício a partir dos 15 anos de contribuição. Ao atingir esse critério, elas poderão receber 2% a cada ano a mais na ativa. Antes, só receberiam mais 2% por ano após os 20 anos de contribuição. A alteração contempla a bancada feminina na Câmara e faz parte do esforço para conseguir os 308 votos necessários à aprovação da reforma.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo