…

Em vídeo, coligação ‘ensina’ como se pronuncia Haddad ao eleitorado

Política

Com pouco mais de 20 dias para consolidar o nome de Fernanda Haddad como o candidato à Presidência pelo PT, o partido lançou nesta quarta-feira 12 um vídeo que explica como pronunciar o nome do cabeça de chapa corretamente. Na inserção veiculada nas redes sociais de 70 segundo mostra várias pessoas pronunciando o nome de Haddad das mais diferentes formas: Hadálio, Haider, Hadi, Hádila…

Em seguida, ao explicar a pronúncia correta, o vídeo tenta vincular o nome do candidato ao Lula como se os dois fossem a mesma pessoa, com eleitores repetindo: “Haddad é Lula, Lula é Haddad”.

A dificuldade de entender o sobrenome do ex-prefeito de São Paulo não é de hoje. Há duas semanas, quando ele ainda era apresentado como o vice pelo PT, podcast da coligação “O Brasil Feliz de Novo” brincou com a confusão que as pessoas fazem durante comícios sobre o seu sobrenome. “E você sabe quem que é o vice do Lula? Fernando Andrade…, quer dizer, Haddad”, diz o narrador do áudio.

O narrador simulou também uma entrevista com o petista. “E o que você acha do pessoal te chamar de Andrade?”, pergunta ao ex-prefeito de São Paulo, que responde:

“Rapaz, o Brasil felizmente tem muito imigrante, né. Tem imigrante de todo o canto, né? Imagina um polonês o que deve ter sofrido aqui (risos). Eu ainda árabe consigo me livrar melhor. Mas é carinhoso, né…. Um jeito bondoso de tratar as pessoas.”

Haddad ainda relembra que, em 2012, quando disputava a Prefeitura de São Paulo seu nome popular era Adalto. “Aqui em São Paulo eu comecei como Adalto, terminei como Haddad e ganhei a eleição. Esse é o jeito de assimilar culturas estrangeiras, receber bem.”

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem