Em reunião tensa, Doria fala em processar governo e Bolsonaro ataca o tucano

A troca de farpas ocorreu diante dos demais governadores do Sudeste durante teleconferência com o presidente

Reunião entre governadores do sudeste com o presidente Jair Boslonaro. Foto: PR

Reunião entre governadores do sudeste com o presidente Jair Boslonaro. Foto: PR

Política

O presidente Jair Bolsonaro realizou uma reunião, nesta quarta-feira 25, com governadores do sudeste para tratarem sobre a crise do coronavírus. Nela, o presidente entrou em conflito com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e acusou o tucano de fazer política com o momento. “Se você não atrapalhar, o Brasil vai decolar  conseguir sair dessa crise. Saia do palanque”, disse o presidente.

O governador pediu para que Bolsonaro não confisque os respiradores que estavam destinados ao estado de São Paulo e disse que se isso acontecer, vai levar o caso à Justiça. “Vocês precisam entender que São Paulo é o epicentro dessa grave crise de saúde”, ressaltou Doria.

Bolsonaro respondeu dizendo que o tucano usou sua imagem para ganhar as eleições e agora o ataca. “Subiu à sua cabeça a possibilidade de ser presidente do Brasil. Não tem responsabilidade. Não tem altura para criticar o governo federal”, disse o presidente ao tucano.

 

No pronunciamento feito pelo presidente nesta terça-feira 24, Bolsonaro criticou os governadores que estão fechando os comércios de seus estados, com foco em Doria e Wilson Witzel, governador do Rio de Janeiro. Na manhã desta quarta o capitão voltou a criticá-los e disse que a quarentena é um crime. 

O discurso de Bolsonaro gerou muitas críticas entre autoridades e especialistas da área, mas o presidente disse estar feliz com as críticas, pois quem o critica nunca fez nada pelo Brasil. “Quero levar à população mensagem de paz e serenidade. O que eles estão fazendo é um crime, estão arrebentando o Brasil”, encerrou o presidente.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem