CartaExpressa

Em meio a tensão com o Congresso, Rui Costa diz que interesse nacional deve se sobrepor a ‘vaidades’

Novo capítulo da crise tem a ver com o veto parcial de Lula às emendas de comissão no Orçamento de 2024. O ministro, contudo, afirmou não existir polêmica em torno da medida

Brasília (DF) 13/06/2023 Ministros das Cidades, Jader Filho, e da Casa Civil, Rui Costa, participam de audiência pública conjunta das Comissões de Meio Ambiente (CMA), de Infraestrutura (CI) e de Desenvolvimento Regional (CDR), todas do Senado Foto Lula Marques/ Agência Brasil.
Apoie Siga-nos no

O ministro da Casa Civil, Rui Costa (PT), disse considerar que o interesse nacional deve ser priorizado em detrimento de “eventuais diferenças ou vaidades pessoais” ao ser questionado sobre a irritação de parlamentares com o governo Lula pelo que chamam de “quebra de acordos” na liberação de emendas parlamentes e cargos.

“Acho que o interesse nacional deve se sobrepor a eventuais diferenças pessoais, ou vaidades pessoais, seja quem for, é fundamental colocar o interesse na nação e quanto mais transparente e aberto for o debate, melhor”, disse o petista nesta quarta-feira 7. O ministro participou do CEO Conference Brasil 2024, promovido pelo BTG Pactual, em São Paulo.

Parte da irritação dos líderes partidários está relacionada ao veto de Lula em parte do montante destinado às emendas de comissão no Orçamento de 2024. O ministro, contudo, afirmou não existir polêmica em torno da medida – segundo ele, o valor acordado com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), de 11 bilhões de reais, será cumprido.

“Participei das discussões no final do ano e o acordo que fizemos será cumprido, que foi incorporar as emendas de comissão no valor de 11 bilhões. O que foi colocado para além disso não faz parte do acordo”, destacou Costa. O Congresso tinha aprovado a quantia de 16,7 bilhões em emendas de comissão.

Na sessão de abertura do ano legislativo, Lira disparou duros recados ao Planalto sobre o veto presidencial. O deputado afirmou que “errará” quem apostar na omissão do Congresso por causa do ano eleitoral, disse que parlamentares não são meros carimbadores de decisões do Executivo e cobrou “cumprimento de acordos” por parte do governo.

O cacique do Centrão ainda elevou a tensão na queda de braço pelo controle do Orçamento ao dizer que a peça orçamentária “pertence a todos e não apenas ao Executivo”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo