Política

Em live de Bolsonaro, mulheres do PSL falam por 5 minutos e são interrompidas 7 vezes

Senadora Soraia Thronicke e a deputada Aline Sleutjes são, respectivamente, presidente e vice do PSL Mulher

Em mais uma edição de sua transmissão ao vivo nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro recebeu a senadora Soraia Thronicke e a deputada Aline Sleutjes, presidente e vice do PSL Mulher.

Thronicke e Sleutjes passaram vinte e dois minutos minutos ao lado do presidente. O papo girou em torno da agenda do governo no Congresso. Elas falaram, ao todo, por 5 minutos e 40 segundos e foram interrompidas sete vezes pelo presidente.

As duas também foram chamadas a se explicar sobre a posição em relação à MP 870, motivo de cabo de guerra entre o governo e o Senado. O presidente ironizou: “Deus me livre mandar em mulher”. A senadora respondeu: “Estamos aqui para dar governabilidade ao senhor. O senhor manda sim. O senhor manda e eu obedeço. O senhor chamou. O time feminino obedece”, disse.

Também houve discordância em relação à proibição da cobrança no preço da bagagem aprovada com votos do PSL. Bolsonaro sinalizou que vetará a mudança,

Bolsonaro também dedicou alguns minutos a comentar com as colegas de partido sua participação nesta quinta em programas do SBT, e perguntou se elas o assistiram.

Homens falam mais

Na segunda parte da trasmissão, o presidente recebeu Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde, e o secretário Nabhan Garcia, responsável pelos assuntos fundiários no governo. A dupla passou pouco mais de onze minutos ao lado do presidente. Falaram, juntos por 6:45 minutos. Mandetta foi interrompido três vezes por Bolsonaro. Já Nabhan Garcia poder concluir seu raciocínio sem nenhuma intervenção do chefe.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!